Mostrando postagens com marcador Santa Josefa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Santa Josefa. Mostrar todas as postagens

domingo, 4 de julho de 2021

União intima do Coração de Jesus com o Pai Eterno

 

União intima do Coração de Jesus com o Pai Eterno

- Hoje a tarde, durante a Adoração ao Santíssimo Sacramento,

não achava nada a dizer a Nosso Senhor e, para não perder tempo,

recitei lentamente as Ladainhas do Sagrado Coração.

- Depois, como a hora não havia passado,

comecei as Invocações da Novena da Primeira Sexta-feira,

e quando cheguei a esta:

“União Íntima do Coração de Jesus com o Pai Eterno,

  eu me uno a vós”

Jesus veio de repente, resplandecente de Beleza:

- Sua Túnica parecia de ouro,

  Seu Coração era como um Incêndio,

  Sua Chaga Jorrava uma Luz Ofuscante.

- Renovei os Votos e pedi-Lhe perdão por estar tão fria a Seus Pés.

- Parece-me entretanto que não era falta de amor,

pois O Amo mais que tudo no mundo.

- Escutava-Me e olhava para mim,

depois disse:

 

“Escuta, Josefa,

esta prece Me é tão agradável e tem tanto valor

que ultrapassa muito as orações mais eloquentes e mais sublimes

que as almas possam oferecer-Me.

Que haverá com efeito,

de maior preço que a União do Meu Coração com o Pai Celestial?

Quando as almas pronunciam essa prece elas penetram, por assim dizer,

no Meu Coração, e aderem ao Beneplácito Divino, seja ele qual for para com elas.

Unem-se a Deus e é o ato mais sobrenatural que se possa fazer na terra,

pois começam a viver algo da vida do Céu,

que consiste na Perfeita e Íntima União da criatura com o Seu Criador e Seu Deus.”

 

“Continua, Josefa, continua a tua prece.

Por meio dela:

adoras, reparas, mereces e amas.

Sim, continua a tua prece,

e Eu continuo a Minha Obra”

- Confiei-Lhe todas as minhas aflições,

escreve Josefa em seguida,

e Jesus respondeu:

“Não te inquietes.

Sou Eu que conduzo tudo”

Jesus a Santa Josefa | Apelo ao Amor | 27.11.1923 | página 578

Veja mais postagens de Santa Josefa:

Reparar os pecados desta hora

Eucaristia, invenção do Amor

Caminho do Calvário 

“União Intima do Coração de Jesus com o Pai Eterno;

eu me uno a Vós

ao Imaculado Coração de Maria,

a Igreja Militante, Purgante e Triunfante,

para que, neste dia:

as palpitações de meu coração,

minhas ações,

meus pensamentos e meus desejos,

meus sentimentos e meus temperamentos

sejam guiados pelo Amor,

tenham intenções puras, e

sejam banhadas pelo Vosso Sangue Precioso.”

“Senhor, sou teu servo, filho de Tua Serva.”

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Caminho do Calvário


Caminho do Calvário
- Enquanto o Meu Coração mergulhava num abismo de tristeza pela eterna perdição de Judas, os cruéis verdugos, insensíveis a Minha Dor, colocaram sobre os Meus ombros chagados o duro e pesado madeiro sobre o qual se ia consumar o Mistério da Redenção do mundo.
- Anjos do Céu, contemplai o Deus diante do qual vos prostrais em constante adoração:
  • Vede o Criador de todas as maravilhas da terra subir ao Calvário sob o lenho santo e bendito que vai receber seu último suspiro.
- E vós almas que quereis ser minhas fieis imitadoras:
  • Contemplai também Meu Corpo alquebrado por tantos tormentos, caminhando sem forças, banhado em suor e sangue.
  • Sofre e ninguém Dele se compadece.
  • A multidão Me escolta, os soldados Me cercam como lobo vorazes, ávidos por devorar a presa, e nenhum tem pena de Mim.
- O cansaço é tão grande e a Cruz tão pesada que caio desfalecido a meio do caminho.
- Vede esses homens desumanos, levantaram-Me brutalmente:
  • Um Me puxa por um braço, outro pelas vestes que estão coladas as Minhas feridas; este Me aperta a garganta, aquele Me agarra pelos cabelos; outros descarregam sobre Meu Corpo murros e pontapés.
  • A cruz cai sobre Mim, magoando-Me com seu peso.
  • As pedras do caminho rasgam-Me o rosto.
  • A areia e a poeira misturam-se a Minha face:
    • Tornei-Me o Ser mais desprezível da terra.
Martírio dos Dois Corações
- Andai comigo mais um pouco, alguns passos adiante encontrareis a Minha Mãe Santíssima.
- Com o Coração traspassado de dor vem ao Meu encontro, por duas razões:
  1. Para recobrar a vista de seu Deus, a força de sofrer;
  2. Para dar a Seu Filho, com sua atitude heroica, coragem para terminar a Obra da Redenção.
- Considerai o martírio desses Dois Corações:
  • Para Minha Mãe, aquele que ama acima de tudo, é Seu Filho; e longe de poder aliviá-lo, sabe, pelo contrário, tudo que sua presença acrescenta aos Meus Sofrimentos.
  • Para Mim aquela que mais amo no mundo é Minha Mãe. E não somente acho-Me impossibilitado de Consolá-La, mas o lamentável estado a que Me vê reduzido, traspassa-a de dor semelhante a Minha, pois a morte que sofro em Meu Corpo, sofre Minha Mãe no Coração.
- Ah, como se prendem a Mim os seus olhos e como os Meus obscurecidos e ensanguentados se fixam nela.
- Nem uma só palavra trocamos, mas quanta coisa dizem os nossos Corações naquele mútuo e doloroso olhar.

- Jesus emudece... parece que o Amor o absorve na recordação do olhar de sua Mãe.
- Josefa fica suspensa naquele silêncio.
- Ousa afinal rompê-lo perguntando ao Mestre se sua Mãe tinha tido conhecimento de suas dores durante aquelas horas trágicas.
- Sim, responde com Bondade:
  • Todos os tormentos de Minha Paixão estavam-Lhe presentes ao espírito por Divina Revelação.
  • Além disso, alguns dos Meus discípulos, embora de longe, com medo dos Judeus, procuravam informar-se do que se passava para lhe contar.
  • Logo que Ela soube da sentença de morte pronunciada contra Mim, saiu a Meu encontro e não mais Me deixou até que Me depuseram no sepulcro.
Simão, o Cirineu
- Durante este tempo a comitiva se adianta no Caminho do Calvário.
- Aqueles homens iníquos, receando que Eu morresse antes do termo, movidos por maldade atroz e não por compaixão, combinam entre sí procurar alguém que Me ajudasse a carregar a Cruz.
- Foi então que requisitaram por preço módico um homem dos arrdores, chamado Simão.
- Considere duas coisas a respeito de Simão:
  1. Aquele homem, embora de boa vontade, é um mercenário, pois, se Me acompanha e partilha o peso da Minha Cruz, é para ganhar a quantia combinada. Então, quando se sente cansado, deixa pesas mais o fardo da cruz sobre Meus Ombros e é por isso que caio mais duas vezes no caminho.
  2. Esse homem foi requisitado para Me ajudar a carregar uma parte da Cruz, mas não toda a Minha Cruz.
Almas que levam parte da Cruz de Jesus
- Simão foi requisitado, quer dizer, ele tem certo interesse no trabalho ao qual é obrigado:
- Assim acontece com muitas almas que caminham após Mim.
- Aceitam, sim, ajudar-Me a levar a Cruz, mas sempre desejosas de consolo e repouso.
- Consentem em seguir-Me e, com esse fim, abraçaram a Vida Perfeita, mas sem abandonar o próprio interesse que continua sendo o seu primeiro cuidado.
- Por isso vacilam e deixam cair a Minha Cruz quando a sentem muito pesada.
- Procuram modo de sofrer o menos possível, calculam sua abnegação, evitam certo cansaço, certa humilhação, certo trabalho e, lembrando-se talvez com pena do que deixaram, tratam de conseguir ao menos alguns prazeres.
- Numa palavra, há almas tão interesseiras, tão egoístas que, estando dispostas a seguir-Me, mais por sí mesmas do que por Mim; não aceitam senão aquilo que não podem evitar ou que as obriga estritamente.
- Essas almas ajudam-Me a carregar pequenina parte de Minha Cruz e, de tal modo, que adquirirão apenas os merecimentos indispensáveis a sua salvação.
- Mas na eternidade, verão quão atrasadas ficaram no caminho.

Almas que levam a Cruz de Jesus
- Pelo contrário, outras almas há, e numerosas, que, movidas pelo desejo de sua salvação, mas muito mais ainda, pelo Amor daquele que sofreu por elas, decidem seguir-Me no Caminho do Calvário.
- Abraçam a Vida Perfeita e se entregam a Meu serviço, não para levar parte da Cruz, mas para carrega-la toda inteira.
- Seu único fim é dar-Me repouso e consolar-Me.
- Elas se oferecem para tudo o que Minha Vontade pedir e não procuram senão o Meu agrado.
- Não pensam, nem na recompensa, nem nos merecimentos que possam adquirir, nem no cansaço, nem no sofrimento que daí sobrevenha.
- Seu único desejo é provar-Me seu amor e consolar Meu Coração.
- Se Minha Cruz se apresentar sob forma de enfermidade, ou se esconder num emprego contrário a seus gostos e aptidões, se tomar aparências de esquecimento ou de oposição da parte das pessoas que as rodeiam, saberão reconhece-la e aceita-la com toda a submissão de que é capaz sua vontade.
- As vezes, sob o impulso de grande amor por Meu Coração e de verdadeiro zelo pelas almas, fazem o que julgam melhor em tal ou qual circunstância.
Mas toda sorte de penas e humilhações respondem a sua expectativa.
- Então as almas impelidas puramente pelo Amor, descobrem a Minha Cruz nesse fracasso, adoram-na, abraçam-na e oferecem por Minha Glória toda a humilhação que lhes sobrevém.
- Ah, estas almas são por certo as que levam verdadeiramente todo o peso da Minha Cruz, sem outro interesse nem outra paga senão o Amor.
- São as que repousam Meu Coração e o glorificam.
- Convencei-vos pois, de que, se vossa abnegação e vossos sofrimentos tardam a frutificar ou parecem, às vezes, não dar fruto algum, nem por isso foram vãos e inúteis. Um dia a colheita será abundante.

Não criar expectativas humanas
- A alma que ama deveras, não calcula o que faz nem pesa o que sofre.
- Não regateia canseiras, nem trabalhos, não espera recompensa, mas procura tudo o que parece dar mais Glória a Deus.
- E porque age com lealdade, seja qual for o resultado, não procura desculpar-se nem justificar suas intenções.
- E porque age por amor, seus esforços e suas mágoas redundarão sempre na Glória de Deus.
- Assim, não se agita nem se inquieta; e menos ainda, perde a paz se, em alguma ocasião se vir contrariada e humilhada:
  • o único motivo de suas ações é o amor, seu único fim.
- Eis as almas que não buscam salários e só procuram Meu Consolo, Meu Repouso e Minha Glória.
- São as que tomaram a Minha Cruz, e a carregam com todo o seu peso sobre os ombros.
- Não espera Jesus, para ajuda-lo, de verdade, sob a Cruz, esses corações generosos que O amam com amor sincero, leal, desinteressado?
- Se Ele se dignou traçar o plano dessa cooperação tão cara a Seu Coração, não foi porventura para despertar o amor de grande número de almas, daquelas que Santa Teresa já definia nesses termos:
  • Uma alma que sabeis ser toda Vossa.
  • Uma alma que se abandona a Vós, para seguir-Vos aonde quer que vades, e até a morte da Cruz.
  • Uma alma resolvida a ajudar-Vos a carregar Vosso fardo sem nunca Vos deixar sozinho a aguentar o seu peso.
27.março.1923 (426;432-435)
“Apelo ao Amor” A mensagem do Coração de Jesus ao Mundo e Sua Mensageira Irmã Josefa Menéndez da Sociedade do Sagrado Coração.
Clique aqui e veja também:


“Senhor, que vosso Amor, Sofrimento e Sangue derramado,

não tenha sido em vão pelas nossas almas e

pelas almas dos Sacerdotes, Filhos Prediletos de Nossa Senhora.”


sábado, 23 de setembro de 2017

Coroação de Espinhos de Jesus


Coroação de Espinhos
- Quando os algozes ficaram fartos de bater, trançaram uma coroa de espinhos, enterram-na em Minha Cabeça e desfilaram diante de Mim dizendo:
  • Rei nós te saudamos!
- Uns Me insultavam, outros batiam-Me sobre a cabeça e cada um acrescentava nova dor aquelas que já esgotavam Meu Corpo.
- Contemplai-Me, almas que amo:
  • Condenado pelos tribunais,
  • Abandonado aos insultos e as profanações da multidão,
  • Entregue ao suplício da flagelação
E, como se tudo isso não bastasse para Me reduzir a mais humilhante condição,
  • Coroado de espinhos,
  • Coberto com um manto de purpura,
  • Saudado como um rei de escárnio,
  • Tido como louco.
- Sim Eu, que Sou o Filho de Deus, o Sustentáculo do Universo, quis passar, aos olhos dos homens como o último e o mais miserável de todos.
- Longe de fugir a humilhação, abracei-a , para expiar os pecados de orgulho e arrastar as almas com Meu exemplo.
- Consenti que Minha Cabeça fosse coroada de espinhos e que sofresse para reparar os pecados de tantas almas soberbas que recusam tudo que as rebaixe aos olhos das criaturas.
- Consenti que Me cobrissem os ombros com um manto de escárnio e Me tratassem como louco, a fim que muitas almas não desdenhassem seguir-Me numa trilha que o mundo julga vil e baixa e que lhes parece indigna de sua condição.

Seguir a Vontade de Deus
- Não, almas queridas, caminho algum, situação alguma é vil e humilhante quando se trata de seguir a Vontade de Deus.
- Vós que vos sentis interiormente atraídos a tal estado, não resistais e não procureis, com vãs e orgulhosas razões, fazer a Vontade Divina querendo seguir, ao mesmo tempo, a vossa própria vontade.
- Não julgueis encontrar paz e felicidade em condição mais ou menos brilhante aos olhos das criaturas.
- Não as encontrareis senão na submissão a Vontade de Deus e no inteiro cumprimento de tudo que vos pedir.

Honras humanas
- Há também no mundo muitas almas que procuram fixar aqui na terra seu futuro.
- Talvez uma ou outra sinta inclinação ou secreto atrativo por alguém em quem descobre muitas qualidades, honradez, fé, piedade, consciência profissional e compreensão das virtudes da família; -tudo que corresponde a seu desejo de amar.
- Mas de súbito o orgulho lhe invade o espírito.
- Sem dúvida o coração ficaria satisfeito desse lado, mas não a vã ambição de brilhar aos olhos do mundo.
- Então a alma se desvia para procurar alguém que melhor atraia em si a atenção das criaturas, fazendo-a parecer exteriormente mais rica e mais nobre.
- Ah, como esta alma está se tornando voluntariamente cega.
- Não achareis certamente a felicidade que buscais neste mundo e oxalá, depois de vos terdes metido em tão perigosa situação, a encontrareis no outro.

Almas que chamo
- E que dizer de tantas almas que chamo ao caminho da perfeição e do amor e que fazem como se não ouvissem a Minha Voz.

Almas dispostas
- Quantas ilusões naquelas que Me dizem estarem dispostas a fazer-Me a Vontade e unir-se a Mim e todavia enterram na Minha Cabeça os espinhos da coroa.

Almas Esposas
- As almas que desejo como Esposas, conheço-as até os mais íntimos refolhos do coração, e, amando-as como as amo, com infinita delicadeza, as atraio para onde as vejo, na Minha Sabedoria, que encontrarão os meios necessários para chegarem a santidade:
  • Ali lhes descobrirei o Meu Coração, ali elas Me darão mais amor e mais almas.
Almas cegas
- Mas, quantas resistências e decepções.
- Quantas almas cegas pelo orgulho e por necessidade exagerada de estima, e pelo desejo de satisfazerem a natureza com mesquinha ambição de se tornarem ‘alguém’, deixam-se invadir por vãos raciocínios e afinal recusam entrar no caminho traçado pelo Amor.

Atos de humildade e submissão
- Almas que Eu escolhera, credes, porventura que, seguindo vosso gosto, dar-Me-eis a glória que de vós esperava?
- Credes fazer Minha Vontade, resistindo a Minha Graça que vos chama a esse Caminho que vosso orgulho repele?
- Ah, desejaria que multiplicasses HOJE atos de humildade e de submissão a Vontade Divina, para obter que muitas almas se deixem guiar na senda que Eu lhes preparo com tanto amor.

É preciso que se cumpram as Escrituras
- Coroado de espinhos e coberto com o manto de purpura, os soldados Me conduziam a Pilatos, acabrunhando-Me a cada passo, com gritos, insultos e escárnios.
- Não achando em Mim nenhum crime digno de castigo, Pilatos Me interrogou novamente e perguntou-Me porque não lhe respondia, sabendo que tinha o poder sobre Mim.
- Então saindo de Meu Silêncio, disse-lhe:
“Não terias poder algum se não te fosse dado do Alto,
mas é preciso que se cumpram as Escrituras”
e fechando novamente os lábios, abandonei-Me.
- Pilatos perturbado com o aviso de sua mulher e perplexo entre os remorsos da consciência e o temor de ver o povaréu amotinado revoltar-se contra ele se recusasse a Minha morte; apresentou-Me a multidão no estado lamentável a que Me haviam reduzido e propôs dar-Me liberdade e condenar em Meu lugar Barrabás, que era um ladrão de fama.
- Mas a multidão vociferou em côro:
“Morra Ele, queremos que Ele morra e Barrabás seja libertado”
- Ó vós que Me amais, vede como Me compararam a um ladrão ou como Me puseram abaixo do mais perverso malfeitor; ouvi os gritos de ódio que vociferam contra Mim, pedindo a Minha Morte.
- Longe de evitar tamanha afronta, ao contrário, abracei-a por amor as almas e por vosso amor.
- Quis mostrar-vos que este Amor não Me conduzia somente a morte:
  • mas ao desprezo,
  • a ignominia,
  • ao ódio daqueles por quem Meu Sangue ia ser derramado em profusão.
- Trataram-Me de perturbador, insensato e louco; aceitei tudo com a maior doçura e a mais profunda humildade.

Experiência da dor
- Não creias, porém, que deixei de sentir então repugnância e dor.
- Pelo contrário, quis que a Minha natureza humana experimentasse todas as que vós mesmos experimentais, a fim de que Meu exemplo vos fortificasse em todas as circunstancias de vossa vida.
- Também, quando soou para Mim aquela hora dolorosíssima que Eu poderia tão facilmente evitar, abracei-a amorosamente para cumprir:
  • A Vontade do Pai
  • Reparar Sua Glória
  • Expiar os pecados do mundo e
  • Comprar a Salvação de muitas almas.
Almas orgulhosas
- Aquelas almas chamadas ao estado de perfeição e que, muitas vezes, entretanto discutem com a Voz da Minha Graça e assim lhe respondem:
  • Como me resignar a viver nesta contínua obscuridade?
  • Minha família, meus amigos julgar-me-ão ridículo, pois tenho capacidade, e seria mais útil em outra parte, etc...
- A essas almas vou responder:
  • Quando tive que nascer de pais nobres e ignorantes, longe de minha terra e de minha casa, num estábulo durante a mais fria e mais escura noite, recusei? Vacilei?
Minha missão humana
- Durante trinta anos conheci os rudes trabalhos da vida operária.
- Sofri com Meu Pai São José, os desprezos daqueles para quem trabalhava.
- Não achei indigno de Mim ajudar Minha Mãe no cuidado da pobre casa; e entretanto não tinha Eu mais talento do que o necessário para desempenhar o modesto ofício de carpinteiro?
- Eu que já aos doze anos de idade instruíra os doutores no templo?
- Era, porém, aquela Vontade de Meu Pai Celeste, e era assim que mais glória Lhe podia dar.
- Desde o começo de Minha Vida pública podia ter-Me dado a conhecer por Messias e Filho de Deus para dominar as multidões e torna-las atentas a Meus ensinamentos.
- Não o fiz porque Meu único desejo era cumprir em tudo a Vontade de Meu Pai.

Repugnâncias da natureza
- E quando chegou a hora da Minha Paixão:
  • no meio da crueldade de uns e das afrontas de outros,
  • do abandono dos Meus,
  • da ingratidão do povo,
  • no meio do indizível martírio do Meu Corpo e das vivíssimas repugnâncias de Minha natureza humana,
foi com mais Amor ainda que Meu Coração abraçou aquela Santa Vontade.
- E sabei, Almas escolhidas:
  • que quando dominardes as repugnâncias naturais,
  • a oposição de vossas famílias,
  • os juízos do mundo,
  • quando vos entregardes generosamente a Vontade de Deus,
então chegará a hora em que, estreitamente unida ao Esposo Divino, gozareis das mais inefáveis doçuras.
- O que digo as almas que sentem repugnâncias pela vida humilde e escondida, repito-o também aquelas que, inversamente, são chamadas a prodigalizar sua vida a serviço do mundo, quando seus atrativos as levariam para a solidão e obscuridade.

Verdadeira felicidade
- Compreendei, almas queridas:
  • viver conhecidas ou desconhecidas dos homens,
  • utilizar ou não os talentos recebidos,
  • ser pouco ou muito estimada,
  • gozar ou não de saúde,
nada disso constitui, por si mesmo, vossa felicidade.
- Conheceis a única coisa que vo-la garantirá?
  • Fazer a Vontade de Deus,
  • Abraça-la com amor,
  • Unir-vos e conformar-vos com tudo que ela exija para sua Glória e para santificação vossa.
- Ama e abraça alegremente a Minha Vontade, pois bem sabes que em tudo foi traçada pelo Amor.

Eu preciso desta graça
- Na mesma tarde Josefa, confessa humildemente que essa recomendação do Mestre não fora inútil.
- Ele quer que ela obtenha, com sua própria vitória sobre as repugnâncias da natureza, graça semelhante para muitas almas que dela precisam.
- Grande lição que retiramos da seguinte confidência feita pela sua humildade:
“Sinto em mim, de novo,
contra este gênero de vida tão extraordinário,
uma espécie de revolta que me tira a paz,
porque eu queria tanto trabalhar”
- Nosso Senhor, porém, não faz caso dessa repulsa que não pode entravar nem a Sua Vontade nem a de Josefa, e logo na manhã seguinte, sábado da Paixão, 24 de março de 1923, Ele continua...

Sofrimento do Meu Coração
- Ocupemo-nos da Minha Paixão.
- Medita por um momento no sofrimento de Meu Coração terníssimo e delicado, quando se viu posto abaixo de Barrabás.
- Vendo-Me assim desprezado, fui traspassado no mais íntimo da alma pelos gritos da multidão que reclamava a Minha Morte.
- Como recordei então:
·         as ternuras de Minha Mãe quando Me estreitava ao Coração,
·         os cansaços e cuidados que Meu Pai adotivo suportara por Meu Amor.
·         Como repassava os benefícios tão prodigamente derramados sobre esse povo:
o   A vista aos cegos,
o   A saúde aos enfermos,
o    As multidões alimentadas no deserto,
o   Os próprios mortos ressuscitados.
- E agora, contemplai-Me reduzido ao estado mais desprezível, objeto mais que qualquer outro do ódio dos homens e condenado como um ladrão infame.
- A multidão pede a Minha Morte e Pilatos pronunciou a sentença.
- Almas que amo, considerai atentamente o sofrimento de Meu Coração.

Escola do Amor
- Depois de Me ter traído no Horto das Oliveiras, Judas andou errante e fugitivo sem poder abafar os gritos de sua consciência que o acusava do mais horrível sacrilégio.
- Quando lhe chegou aos ouvidos a sentença de morte pronunciada contra Mim, caiu no mais terrível desespero e se enforcou.
- Quem poderá compreender a dor intensa e profunda de Meu Coração quando vi precipitar-se, na eterna perdição, aquela alma que tinha passado tantos dias na Escola de Meu Amor?
- Que tinha recolhido Lições, e tantas vezes ouvido cair de Meus Lábios perdão para os maiores pecados?
- Ah, Judas, por que não vens atirar-te a Meus Pés a fim de que Eu te perdoe também?
- Se não ousas aproximar-te de Mim, por medo dos que Me cercam com tanto ódio, ao menos olha para Mim e logo encontrarás Meus Olhos fixos em ti.

Hoje, é o dia da Salvação (IICor 6,2)
- Vós, que estais mergulhados no mal e que há mais ou menos tempo viveis errantes e fugitivos por causa de vossos crimes:
  • Se os pecados de que sois culpados vos endureceram e cegaram o coração,
  • Se para satisfazerdes as vossas paixões, caistes nos piores escândalos.
- Ah, quando vossa alma reconhecer o seu estado, e os motivos ou os cumplices de vossas faltas vos abandonarem, não deixeis que de vós se apodere o desespero.
Enquanto o homem tiver um sopro de vida,
poderá ainda recorrer a Misericórdia e implorar perdão.
- Se sois jovens e já as desordens de vossa mocidade vos deixaram em estado de degradação aos olhos do mundo, não temais.
- Mesmo que o mundo vos trate de criminoso, vos despreze e vos abandone, Vosso Deus não consentirá que vossa alma seja presa do inferno.
- Pelo contrário, deseja, e com ardor, que dele vos aproximais para vos perdoar.
- Se não ousais falar-Lhe, dirigi para Ele vossos olhares e os suspiros do vosso coração e em breve vereis que Sua Mão Bondosa e Paternal vos conduz a Fonte do Perdão e da Vida.
- Se, passastes, voluntariamente a maior parte da vida na impiedade ou na indiferença e, de repente, ao se aproximar a eternidade, o desespero tente vos vendar os olhos... ah, não vos deixeis enganar, é ainda tempo de perdão.
- Mesmo se não vos resta senão um segundo de vida, neste segundo podeis comprar a eternidade.
- Se vossa existência mais ou menos longa se escoou na ignorância e no erro, se fostes causa de grandes males para os homens, a sociedade e mesmo para a religião e se por qualquer circunstância vindes a reconhecer que vos enganastes, não vos deixeis acabrunhar pelo peso de vossas faltas e do mal de que fostes instrumento.
- Mas vossa alma, penetrada do mais vivo arrependimento se lance num abismo de confiança e corra Aquele que vos espera sempre para perdoar todos os erros de vossa vida.

Alma acomodada
- Falarei também para aquela alma que viveu primeiro na fiel observância da Minha Lei, mas que se foi esfriando pouco a pouco até a tibieza de uma existência cômoda.
- Ela esqueceu a própria alma, pode-se dizer e também suas elevadas aspirações.
- Deus pedia-Lhe mais esforços, mas os defeitos habituais cegaram-na e caiu nos gelos da tibieza, piores que os do pecado, pois a consciência, surda e adormecida, não sente mais remorsos e não ouve mais a Voz de Deus.
- Venha uma forte sacudidela que a desperte subitamente:
  • Sua vida lhe parece então inútil e vazia para a eternidade.
  • Perdera inúmeras graças, e o demônio, que não quer largar a presa, explora-lhe a angustia, mergulha-a no desânimo, na tristeza, no abatimento, e pouco a pouco, submerge-a no temor e no desespero.
- Almas que amo, não deis ouvidos a esse cruel inimigo.
- Vinde depressa atirar-vos a Meus Pés e penetradas de viva dor, implorai Minha Misericórdia e não temais. Perdoo-vos.
- Começai novamente vossa vida de fervor, recuperareis os méritos perdidos e Minha Graça não vos faltará.

Alma escolhida
- Será preciso, enfim, dirigir-Me as Minhas escolhidas?
- Haverá alguma que tenha passado longo anos na prática constante da Regra e dos deveres religiosos?
- Sim, uma alma que Eu favorecera com Minhas Graças e instruíra com Meus conselhos, uma alma, por longo tempo fiel a Voz da Graça, as inspirações Divinas.
- Eis que:
  • por uma pequena paixão,
  • uma ocasião não evitada,
  • uma satisfação concedida a natureza,
  • um relaxamento no esforço necessário.
- Esfriou pouco a pouco, caiu numa vida ordinária, vulgar e finalmente tíbia.
- Ah, se por uma ou outra causa, saís um dia de vosso sono, sabei que no mesmo instante o demônio, com inveja de vosso bem:
  • Vos assaltará de mil maneiras,
  • Tentará persuadir-vos que é tarde demais e que tudo é inútil,
  • Encher-vos-á de temor e repugnância para descobrir o estado de vossa alma,
  • Apertar-vos-á a garganta para vos impedir de falar e de vos abrirdes a Luz,
  • Trabalhará para abafar em vós a confiança e a paz.
Jesus escondido (Marcos 16,12)
- Escutai primeiro a Minha Voz, dizendo-vos o que deveis fazer:
  • Desde que a Graça vos tocar e antes que a luta se trave, correi a Meu Coração...
  • Pedi-Lhe que derrame sobre vós uma gota de Seu Sangue.
- Sim, vinde a Mim.
- Sabeis que estou sempre nos braços paternais de vossos Superiores, sejam quem forem.
- Ali estou, escondido, sob o véu da fé; levantai aquele véu e dizei-Me com inteira confiança vosso sofrimento, vossas misérias, vossas quedas.
- Recebei a Minha Palavra com respeito e nada temais pelo passado; Meu Coração submergiu-o no abismo de graças.
- A lembrança de vossa vida passada não será então motivo para vos humilhardes e aumentardes vossos méritos e, se quereis dar-Me maior prova de amor, contai com o Meu Perdão e crede que vossos pecados nunca conseguirão ultrapassar Minha Misericórdia que é infinita.

- Josefa, fica escondida no abismo de Meu Amor e reza para que as almas se deixem penetrar dos mesmos sentimentos. 
22 a 25.março.1923 (410-422)
“Apelo ao Amor” A mensagem do Coração de Jesus ao Mundo e Sua Mensageira Irmã Josefa Menéndez da Sociedade do Sagrado Coração.

Veja também:

domingo, 17 de setembro de 2017

Da Prisão a Flagelação de Jesus


A prisão e o sacrário
- Contempla-Me na prisão onde passei grande parte da noite.
- Ali vinham os soldados insultar-Me com palavras e ações, escarnecendo de Mim, ultrajando-Me, batendo-Me na cabeça e sobre o Meu Corpo.
- Fartos de Mim, abandonaram-Me sozinho e amarrado, num lugar úmido e escuro.
- Deram-Me uma pedra por assento onde o Meu Corpo dolorido se sentiu transido de frio.
  • Comparemos aqui a prisão com o coração daqueles que Me recebem.
- Na prisão, passei apenas parte da noite.
  • Mas no sacrário... quantos dias, quantas noites?
- Na prisão fui insultado e maltratado pelos soldados que eram Meus inimigos.
  • Mas no sacrário... quantas vezes não o sou por almas que Me chamam de Pai... mas não se comportam como filhos.
- Na prisão, sofri frio e sono, fome e sede, tristeza, vergonha e abandono.
  • E vi, no decorrer dos séculos, tantos tabernáculos onde Me faltaria o abrigo do amor... tantos corações gelados que seriam para Meu Corpo chagado, como a pedra da prisão.
Senhor, quero suavizar sua tristeza
- E quantos dias esperarei que tal alma ou tal outra, venha visitar-Me no sacrário e Me receber no seu coração.
- Quantas noites passadas a desejar sua vinda:
  • Mas ela se deixa dominar por suas ocupações, por sua moleza, pelo medo de prejudicar a saúde... e não vem.
  • Esperava-te para saciar Minha sede e para consolar Minha tristeza, alma querida, e não vieste.
- Quantas vezes terei fome das almas, de sua fidelidade, de sua generosidade:
  • Saberão elas aplacar esta fome ardente com aquela pequenina vitória sobre si mesmas, ou aquela leve mortificação?
  • Saberão aliviar Minha tristeza com sua ternura e compaixão?
  • Saberão, quando vier um momento mais doloroso a natureza?
  • Saberão, quando tiverem que suportar um sofrimento qualquer?
  • Um esquecimento?
  • Um desprezo?
  • Uma mágoa de coração ou de família?
- E com tudo isso, dizer-Me do fundo da alma:
“Isto será para suavizar Vossa tristeza,
para Vos acompanhar na Vossa Solidão”
- Ah, se soubessem unir-se a Mim com que paz atravessariam a dificuldade, como sua alma sairia dali fortificada e como Meu Coração seria consolado e aliviado.

Minha prisão e a frieza das almas
- Na prisão quantas palavras obscenas proferidas contra Mim Me haviam de cobrir de confusão:
  • E essa dor aumentava ainda lembrando-Me que semelhantes palavras cairiam um dia de lábios muito amados.
- Na prisão, enquanto aquelas mãos imundas descarregavam pancadas e bofetões sobre Meu Corpo:
  • Eu Me via espancado e esbofeteado pelas almas que Me receberiam sem delicadeza e Me acabrunhariam sob golpes repetidos de pecados habituais e consentidos.
- Depois, quando Me empurraram e Me deixaram cair por terra, atado e sem forças:
  • Vi muitas almas preferirem suas satisfações e acorrentarem-Me por suas ingratidões , repelirem-Me e renovarem Minha dolorosa queda, prolongando Minha solidão.
- Ó almas escolhidas, aproximai-vos de Vosso Esposo na prisão, comtemplai-O durante essa noite de padecimento:
  • E vede-A prolongar-se na solidão de tantos sacrários e na frieza de tantas almas.
Quereis dar-Me prova de vosso amor?
- Quereis dar-Me prova de vosso amor?
  • Deixai-Me vosso coração para que dele faça minha prisão.
  • Atai-Me com as cadeias do vosso amor.
  • Cobri-Me com as vossas delicadezas.
  • Saciai-Me a fome com a vossa generosidade.
  • Dai-Me de beber com o vosso zelo.
  • Consolai a Minha tristeza com a fidelidade de vossa companhia.
  • Tirai-Me esta dolorosa confusão com a vossa pureza e a vossa reta intenção.
- Quereis que Eu repouse em vós?
  • Preparai-Me um leito com vossos atos de mortificação.
  • Sujeitai a vossa imaginação.
  • Acalmai os tumultos de vossas paixões.
- Então, no silêncio de vossa alma, dormirei tranquilo e ouvireis a Minha Voz dizendo suavemente:
v  Ó Esposa Minha, que és agora o Meu Descanso, Eu serei o teu na eternidade.
v  Já que, com desvelo e amor, Me guardaste na prisão do teu coração, Minha recompensa não terá limites e nunca te arrependerás dos sacrifícios que por Mim fizeste durante a tua vida.

- Paremos aqui, Josefa, deixa-Me passar o dia de hoje na prisão de tua alma. Haja nela profundo silêncio para escutares as Minhas Palavras e responderes aos desejos que Eu te confiar.

Almas fieis imitadoras de Meu Coração
- Depois de ter passado a maior parte da noite na prisão úmida, escura e sórdida.
- Depois de ter suportado os ultrajes e os escárnios da criadagem curiosa acerca do que Me sucederia, quando já Meu Corpo estava exausto com tantos tormentos...
- O que Me consumia de amor e avivava em Mim nova sede de dores, era o pensamento de muitas almas que Eu atrairia mais tarde a seguir-Me os passos.
- Eu as via, como fiéis imitadoras de Meu Coração, aprendendo de Mim, não apenas mansidão, paciência e serena aceitação dos sofrimentos e dos desprezos, mas até o amor daqueles que as perseguiriam.
- Vi-as chegarem ao ponto de se sacrificar por eles, como Eu próprio Me sacrificava pela salvação dos que Me maltratavam.
- Vi-as:
  • amparada por Minha Graça,
  • responderem ao apelo Divino,
  • abraçarem o estado de perfeição,
  • mergulharem na solidão,
  • amarrarem-se, elas mesmas nas cadeias do amor,
  • renunciarem a tudo que amavam legitimamente,
  • suportarem com coragem as revoltas da sua própria natureza,
  • deixarem-se julgar,
  • aceitarem desprezos, difamação e mesmo serem tidas por loucas,
  • guardarem, apesar de tudo, seu coração, intimamente unido a seu Deus e Senhor.
- Assim, no meio de ultrajes e tratamentos infames, o Amor Me consumia em desejos de cumprir a Vontade do Pai e Meu coração, estreitamente unido a Ele nas horas de solidão e de dor, oferecia-se para reparar a Sua Glória.

- Também, almas religiosas que permaneceis na prisão escolhida pelo Amor e que, mais de uma vez passais aos olhos das criaturas, por inúteis e quiça prejudiciais... não temais:
  • Nas horas de solidão e dor deixai revoltar-se o mundo contra vós.
  • Una-se vosso coração mais intimamente a Deus, único Objeto de vosso amor.
  • Reparai Sua Glória ultrajada por tantos pecados.
Amanheceu
- Ao amanhecer do dia seguinte, Caifaz ordenou que Me conduzissem a Pilatos a fim de que pronunciasse contra Mim a sentença de morte.
- Pilatos interrogou-Me com sagacidade, com a esperança de descobrir um verdadeiro motivo de condenação, mas, não encontrando nenhum, sentiu logo a consciência perturbada a vista da injustiça que ia cometer. Então, para se desembaraçar de Mim, mandou-Me conduzir a Herodes.

Alma de Pilatos
- Pilatos é o tipo das almas que, balouçadas entre os impulsos da Graça e os das paixões, se deixam dominar pelo respeito humano e pelo amor excessivo de si mesma.
- Encontram-se diante de tentação ou de ocasião perigosa? Tornam-se voluntariamente cegas e raciocinam até ficarem persuadidas de que não há nisso mal nem perigo algum... que elas tem juízo bastante para decidir, e não precisam de conselho... receiam parecer ridículas aos olhos do mundo... faltam de energia para vencerem a si próprias e, passando ao lado da graça, caem de uma ocasião em outra e acabam como Pilatos, entregando-Me a Herodes.
- Quando é uma alma religiosa, não haverá talvez ocasião para ofensa grave.
- Mas, para resistir, seria preciso aceitar uma humilhação, suportar uma contrariedade.
- E se, longe de obedecer ao movimento da graça e de descobrir lealmente sua tentação, a alma consultar sua própria razão e se convencer de que não há motivo para afastar tal perigo ou recusar tal satisfação, cairá brevemente em perigo maior.
- Como Pilatos, cegará seus próprios olhos, perderá a coragem para agir com retidão e, pouco a pouco, senão rapidamente, também ela Me entregará a Herodes.

Meu Reino não é deste mundo (João 18,36)
- A todas as perguntas de Pilatos nada respondi, mas quando Me disse:
“És tu o Rei dos Judeus?”
- Então com gravidade e na plenitude de Minha responsabilidade, respondi:
“Tu o disseste, Sou Rei, mas Meu Reino não é deste mundo”
- Assim deve a alma responder com energia e generosidade, quando se apresentar ocasião de vencer o respeito humano, de aceitar algum sofrimento ou humilhação aos quais lhe seria fácil escapar.
- “Não, Meu Reino não é deste mundo” eis porque não procuro o favor dos homens.
- Vou para a minha verdadeira pátria onde me espera repouso e felicidade.
- Aqui na terra não devo fazer caso da opinião do mundo mas cumprir fielmente o meu dever.
- Se para isso precisar atravessar humilhação e sofrimento, não recuarei; escutarei a Voz da Graça.
- Se não for capaz de o conseguir sozinha, buscarei socorro e pedirei conselho, pois bem sei que o amor próprio e a paixão tentam cegar a alma para enveredá-la pelo mau caminho.
- Pilatos, pois, dominado pelo respeito humano e o receio de arcar com tamanha responsabilidade, ordenou que Me levassem a Herodes.
- Era este um homem perverso que só procurava satisfazer suas paixões desordenadas.
- Regozijou-se vendo-Me comparecer a seu tribunal, esperando divertir-se com Minhas Palavras e Meus Milagres.

“Para os puros, todas as coisas são puras;
mas para os impuros e descrentes; nada é puro:
tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas” Tito 1, 15
- Considerai, almas queridas, a repulsão que experimentei na presença daquele homem viciado e cujas perguntas, gestos e movimentos Me cobriram de confusão.
- Almas puras e virginais, vinde cercar vosso Esposo.
- Escutai os falsos testemunhos que se levantam contra Mim.
- Vede a implacável sede dessa multidão ávida de escândalos e da qual Me tornara joguete.

Quando Deus se cala
- Herodes espera que Eu responda as suas perguntas sarcásticas para Me justificar e Me defender; mas Meus Lábios não se abrem e guardo diante dele o mais profundo silêncio.
- Este silêncio era a maior prova que lhe podia dar da Minha dignidade.
- As suas palavras obscenas não mereciam cruzar-se com as Minhas puríssimas.

União intima do Coração de Jesus com o Pai eterno, eu me uno a Vós
- Durante esse tempo Meu Coração estava intimamente unido a Meu Pai Celeste.
- Consumia-Me em desejo de dar, pelas almas, que tanto amo, o Meu Sangue até a última gota.
- O pensamento de todas as almas, que um dia Me seguiriam, conquistadas pelos Meus exemplos e pela Minha liberalidade, inflamava-Me em amor.
- E não só regozijava-Me durante aquele terrível interrogatório mas desejava ao suplicio da Cruz.
- Depois de ter suportado as piores ignominias no mais perfeito silêncio, deixei que Me tratassem como louco e, coberto com veste branca sinal de zombaria e irrisão, por entre gritos da multidão, fui levado novamente ao tribunal de Pilatos.
- Vê como esse homem está aturdido e apavorado.
- Não sabe que fazer de Mim e para ver se acalma a sede daquele povo que pede a Minha morte, ordena que Me flagelem.

Discernir entre ‘ser tentado’ e ‘consentir’ na tentação CIC 2847
- Assim faz a alma que não tem coragem e generosidade para romper energicamente com as exigências do mundo, da sua natureza ou das suas paixões.
- Em vez de afrontar a tentação e cortar pela raiz, como lhe pede a consciência, o que ela sabe que não vem do espírito bom:
  • Ora cede a um pequeno capricho.
  • Ora concede a si mesma alguma leve satisfação.
  • Se tenta vencer-se num ponto, capitula diante de outro que lhe custaria maior esforço.
  • Se mortifica alguns desejos, hesita em muitos outros em que deveria, para ser fiel a Graça ou obedecer a regra privar-se de muita coisa que alimenta a sensualidade e agrada a natureza.
  • Concede a si mesma a metade de um capricho, a metade do que exige a paixão, e pacifica assim o remorso da consciência.
Paixão não mortificada
- Tratar-se-á por exemplo, de divulgar uma falta que ela crê descobrir no próximo?
- Não é nem caridade fraterna, nem desejo do bem, mas uma paixão oculta, um secreto movimento de inveja que lhe inspiram essa ideia.
- A Graça e a consciência lançam então dentro dela um grito de alarme e a previnem do espírito que a guia e da injustiça que vai cometer.
- Haverá, de certo, na alma, um primeiro instante de luta, mas a paixão que ela não mortificou priva-a brevemente de luz e de coragem para repelir a ideia diabólica.
- Então inventa um meio para só calar uma parte do que sabe, mas não tudo; e ela se desculpa diante de si mesma:
“É preciso que se saiba... só direi uma palavra...”
- Assim é que Me abandonas, como Pilatos para ser flagelado.
- Dentro em pouco, essa paixão te obrigará a terminar sua obra.
- Não penses acalmar assim tua sede.
- Hoje deste um passo, amanhã irás mais longe.
- E, tendo cedido numa pequena ocasião, com quanto mais razão cederá diante de grave tentação.

A Flagelação
- E agora, contemplai, almas caríssimas a Meu Coração, como Me deixei conduzir com mansidão de cordeiro, ao terrível suplicio da flagelação.
- Sobre Meu Corpo, moído de pancadas e alquebrado de cansaço, os verdugos descarregam cruelmente açoites e chicotes.
- Todos os Meus ossos são abalados com a mais terrível dor, feridas sem conta Me estraçalham.
- De Minha Carne Divina lá se vão pedaços arrancados pelos açoites.
- O Sangue jorra de todos os Meus Membros e em breve fico reduzido a tão lastimável estado que não tenho mais aparência de homem.
- Ah, como podeis contemplar-Me neste oceano de amargura sem que vosso coração se compadeça de Mim?
Não pertence aos algozes consolar-Me,
mas a vós, almas escolhidas, para aliviar a Minha Dor.
- Contemplai as Minhas feridas e vede se tem quem tenha sofrido tanto para vos provar seu amor.

O instrumento contempla Jesus Flagelado
- E, dirigindo-se a Josefa, Jesus continua:
“Contempla-Me nesse estado de ignominia”
- Jesus se cala e ela ergue os olhos para o Mestre.
- Ali está, diante dela, naquele lamentável estado em que o pusera a flagelação, Ele a mantém longo tempo diante da dolorosa contemplação como que para lhe imprimir para sempre na alma.
  • “Dize-Me se Minhas Feridas não te darão força para te venceres e resistires a tentação”
  • Dize-Me se não te encontrarás generosidade para te sacrificares e te entregares totalmente a Minha Vontade”
  • “Sim, olha para Mim e deixa-te guiar pela graça e pelo desejo de Me consolares neste estado de vitima.”
  • “Não temas. Teu sofrimento jamais igualará ao Meu e Minha Graça te assistirá em tudo o que Eu te pedir.”
  • “Adeus. Conserva-Me assim em teus olhos.”
Os efeitos da Mensagem de Amor e da contemplação
- Então o Senhor desaparece. Josefa continua imóvel, com os olhos fechados e uma indizível emoção gravada no rosto.
- Envolve-a impressionante silêncio.
- Pouco a pouco volta a si... não pode falar... com a mão trêmula, escreve:
- Mostrou-se no estado em que O deixaram depois da Flagelação, e esta visão me encheu de tanta compaixão que me parece que ora em diante terei coragem para sofrer o que for até o fim de minha vida.
- Dor nenhuma chegará perto sequer da Sua Dor.
- O que mais me impressionou foram Seus Olhos que são habitualmente tão belos e cujo Olhar tanto me fala a alma... hoje, estavam fechados, muito inchados e ensanguentados, principalmente o Olho direito.
- Os Cabelos cheios de Sangue caiam-lhe sobre o Rosto, sobre os Olhos e sobre a Boca.
- Estava em Pé mas curvado e atado a alguma coisa, mas eu não via senão a Ele.
- Suas Mãos estavam amarradas uma a outra, a altura da cintura e cobertas de Sangue.
- Seu Corpo sulcado de feridas e manchas roxas com as veias dos braços inchadas e quase pretas.
- Do Ombro esquerdo pendia um pedaço de Carne s destacar-se e também de várias outras partes do Corpo.
- As Vestes estavam a Seus Pés rubras de Sangue.
- Uma corda muito apertada segurava a altura da Cintura um pedaço de pano Ensanguentado que não se lhe podia ver a cor.
- Não posso dizer em que estado O vi... não sei exprimi-lo.

17.março.1923 (397-409)
“Apelo ao Amor” A mensagem do Coração de Jesus ao Mundo e Sua Mensageira Irmã Josefa Menéndez da Sociedade do Sagrado Coração.

Veja também: