Mostrando postagens com marcador Santa Catarina de Sena. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Santa Catarina de Sena. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 31 de março de 2020

Obrigações de estado e o Amor


Obrigações de estado e Amor
O texto Bíblico de Efésios 5, 21-23 nos apresenta uma polêmica exigência:
“Como a Igreja está sujeita a Cristo, estejam as mulheres sujeitas aos seus maridos... E vós, maridos, amai as vossas mulheres como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela... Assim também os maridos devem amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher ama-se a sí mesmo, pois ninguém jamais quis mal a sua própria carne, antes alimenta-a e dela cuida, como também faz Cristo com a Igreja, porque somos membros do seu corpo...”

- No Matrimônio, muitas vezes, cumprimos tudo o que a moral e as “obrigações de estado” nos propõem a viver, ou seja: Ter uma casa, trazer alimento, ter filhos, leva-los a escola, cuidar da vestimenta, providenciar transporte, ser casto, dar presente nos aniversários, passear com seu cônjuge e com a família, etc... São obrigações licitas e que acumulamos méritos para com o cônjuge, com os filhos, parentes, amigos e ficamos quites com a sociedade e com nós mesmos quando tudo vai bem.
Mas,
As tempestades, tribulações, doenças, Epidemias e problemas financeiros nos atingem de vez em quando, dai temos a impressão que tudo o que fazemos não é o suficiente, pois os desentendimentos se tornam mais frequentes, os julgamentos, as cobranças, as culpas vão tomando conta da rotina do casal. Daí pensamos o que será que fiz para merecer isso, ou porque só acontece comigo, porque Deus me abandonou?
- Muitas vezes cumprimos todas as “obrigações de estado”, temos tudo o que é necessário para uma vida normal, mas esquecemos daquilo que não é obrigação, mas é essencial para que ninguém culpe ninguém quando das tempestades e sofrimentos que nos assolam: AMAR.
- AMAR não é obrigação, mas é um Mandato de Deus para que não somente o matrimônio corra bem, mas tudo.
- Podemos até mantermos uma fachada, alimentando nosso matrimônio com coisas materiais e nos escondendo na correria do dia a dia, culpando a falta de tempo, mesmo sabendo no intimo do coração que está faltando alguma coisa. Daí quando temos tempo percebemos que realmente alguma coisa está acontecendo ou não aconteceu; é o Amor, a única coisa de eu não era “obrigado” a dar mas que foi suprimido pela paixão no inicio do relacionamento e estendido até o matrimônio.
Ainda há tempo.
- Se nos falta Amor ao cônjuge ou aqueles a quem Nosso Senhor nos confiou, peçamos socorro a fonte do Amor, Nosso Deus; Aquele que mandou-nos Amar, mas por um motivo ou outro deixei passar despercebido ou não sabia o que era Amar, confundi com outro sentimento, vai nos socorrer com sua Providência de Amor, vai nos capacitar ao Amor.
- Meditemos no Amor do Pai que deu seu Filho Único, Nosso Senhor Jesus Cristo, para morrer em nosso lugar.
- Jesus é nosso modelo de Amor, peçamos a Ele e a intercessão de Nossa Senhora, sua mãe e nossa  mãe, que nos ensine a Amar como Ele nos Ama desde toda a eternidade.


Amar onde quer que eu esteja
- Estendamos este conceito às outras dimensões de nossa vida, para melhor compreendermos o que realmente é o Amor: Na profissão, nos estudos, no lazer, no trânsito...
- Faço somente o que é determinado pelas instituições e pelas Leis ou vou além?
- Imagine um médico que mesmo depois de formado, continua seus estudos para dar muito mais a seus pacientes;
- Imagine o Cientista que mesmo depois de receber seu diploma de formação acadêmica continua pesquisando e entregando a Comunidade Cientifica seus esforços extras para descobrir uma nova Vacina para uma grave Pandemia que assola o mundo.
- Imagine um professor que vai além dos livros e ensine a seus alunos não somente a teoria, mas como aplicar em suas vidas.
- Imagine um Padre que mesmo depois de ordenado, continua seus estudos e rogando a Deus por seus fieis, dando bons exemplos de como Amar a Deus sobre todas as coisas e ao Próximo como a sí mesmo, ensinando a seus fieis a serem santos como Deus é santo. Pense em sua pregação, pois as palavras ditas com Amor, Libertam.
- Imagine você no trânsito caótico da cidade grande e alguém, que sem paciência, age de forma irresponsável; qual sua reação? Você julga ou reza por ele?
- Imagine um Economista que estudando novas possibilidades, além das existentes, apresenta uma nova formula de distribuição de renda, sem colocar em risco a economia de sua nação.
- Imagine você, nas várias dimensões da sua vida, o que pode dar além das “obrigações de estado” que já cumpre, este acréscimo é o que chamamos de Amor, Amor ao próximo; aqui você cumpre os dois mandatos de Deus ao mesmo tempo: Ama a Deus no próximo.
- Imagine todos nós cumprindo o que Jesus mandou: Amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a si mesmo (Amar a Deus no próximo), creio que faríamos muito mais que nossa “obrigação de estado” e o mundo em que vivemos transformaria.

Como Amar e praticar as obras de misericórdia: Pela ação, pela Palavra ou pela Oração.

Consequências do Amor
- Lembra daquela passagem Bíblica (Mateus 19, 16-30) em que o Jovem Rico que já cumpria todos os mandamentos, sentia em seu coração que faltava algo? O que Jesus lhe recomendou? Vai vende tudo e siga-me. Sim, o Amor requer despojamento, desprendimento, perdão e doação.
- O Amor tem um preço: doação da vida pelo outro (lembre-se de Jesus, nosso modelo), Amar é dar a vida pelo próximo, Amor e sofrimento se fundem em uma só coisa. 
“O Cerne do Amor é o sacrifício e o sofrimento”, Diz Deus Pai a Santa Faustina §1103
- Quem morre primeiro? Quem mais ama.
- O médico que mais Ama, se expõe mais, morre amando.
- O Padre que mais Ama, mais se expõe para salvar seu rebanho.
- O Bombeiro que mais Ama, encara o fogo para salvar uma vida.
- O Soldado que mais Ama, defende a vida do próximo.
- Os covardes não amam, demoram mais para morrer.
- Os fracos não amam, precisam de mais exemplos para amar mais.
O mundo é dos espertos, mas o céu é para aqueles que amam.

“Enquanto viveis neste mundo, podeis e deveis progredir;
se alguém estaciona, por isso mesmo retrocede.”
Santa Catarina de Sena 24,2

Texto revisado por Padre Cirio Alessandro Jacinto.

sábado, 5 de agosto de 2017

Dia do padre

- Por certo, odiareis o pecado presente nos ministros que vivem mal; mas sem vos transformardes em seus juízes.
- Não o quero. São meus ungidos.
- Amareis e respeitareis a autoridade que lhes conferi.
- Se por acaso uma pessoa suja e maltrapilha vos trouxer um tesouro, verdadeira fonte de vida, certamente não a desprezareis; seja por causa do tesouro, como pela pessoa que a enviou.
- Preocupados com o benfeitor ausente, tudo fareis para que o mensageiro se lave e troque de roupa.
- O mesmo haveis de fazer no campo da caridade –e quero que o façais- relativo aos meus ministros sem muita retidão que, sujos, cheios de vícios, com a veste do amor em frangalhos, trazem-vos grandes tesouros: os Sacramentos da Santa Igreja.
- Tais Sacramentos vos dão a vida da graça; acolhei, pois, dignamente os ministros, não obstante seus defeitos.
- Acolhei-os por Meu Amor. Sou Eu, o Deus Eterno, que vo-lo ordeno.
- Deveis combater seus defeitos, esforçando-vos por dar-lhes uma nova roupa mediante o  amor e a oração.
- Lavai suas manchas com vossas lágrimas.
- o pranto e o DESEJO SANTO oferecei-vos a mim, para que misericordiosamente Eu lhes dê a veste da caridade.
- Eu os escolhi e enviei a vós para que fossem anjos na terra e luminosos.
- Quando não o são, deveis orar por eles, ao invés de estar a julgá-los.
- Deixai a mim o julgamento.
- Auxiliados por vossas preces, talvez se arrependerão e serão perdoados.
- Caso não se corrijam, o próprio modo de viver, a própria dignidade serão sua ruína.

                                    Santa Catarina de Sena - O Diálogo  pg253

domingo, 1 de janeiro de 2017

Felicidade dos santos


Felicidade dos santos
- O homem justo, ao encerrar sua vida terrena no amor, já não poderá progredir na virtude.
 Para sempre continuará a amar no grau de caridade que atingiu ao chegar até mim.
- Também será julgado na proporção do amor.
- Continuamente ME DESEJA, continuamente me possui; sua aspirações não caem no vazio.
- Ao DESEJAR, será saciado; ao saciar-se, sentirá ainda fome; distanciando-se, assim, do fastio da saciedade e do sofrimento da fome.

- Os bem aventurados gozam da minha eterna visão. Cada um no seu grau, de acordo com a caridade em que vieram participar de tudo o que possuo.
- Por terem vivido no meu amor e no amor dos homens; por terem praticado a caridade em geral e em particular, qual fruto de um único amor desfrutam -na alegria e gozo- dos bens pessoais e comuns que mereceram.
- Colocados entre os anjos e santos, com eles se rejubilam na proporção do bem praticado na terra.
- Entre si congraçados na caridade, os bem aventurados de modo especial comunicam-se com aqueles que amaram no mundo. Realizam-no, naquele mesmo amor que os fez crescer na graça e nas virtudes. Na terra, ajudavam-se uns aos outros, a glorificar-me, a louvar-me em si mesmo e nos outros; tal amor continua na eternidade. Conservam-no, partilham-no profundamente entre si; com maior intensidade até, associando-se a felicidade geral.
- Não penses que a felicidade celeste seja apenas individual. Não! Ela é participada por todos os cidadãos da pátria, homens e anjos.
- Quando chega alguém a vida eterna, todos sentem sua felicidade, da mesma forma como ele participa do prazer de todos. Não no sentido que os bem aventurados progridam ou se enriqueçam, pois todos são perfeitos e não precisam de acréscimos.
- É uma felicidade, um prazer, um júbilo, uma alegria que se renova interiormente, ao tomarem eles conhecimento da riqueza espiritual do recém chegado. Todos compreendem que ele foi elevado da terra a plenitude da graça por minha misericórdia; naquele que chegou todos se alegram, gratos pelos dons por mim recebidos. O novo eleito, igualmente, sente-se feliz em mim e nos bem aventurados, neles contemplando a doçura do meu amor.
- Em seus anseios, os eleitos clamam continuamente diante de mim em favor do mundo inteiro.
- Suas vidas haviam terminado no amor fraterno; continuam no mesmo amor. Aliás, foi exatamente por tal caridade que passaram pela porta, que é Meu Filho Jesus Cristo.

- Os bem aventurados continuam no céu, eternamente, naquele mesmo amor com que encerraram a vida terrena.
- Conformam-se inteiramente a minha vontade, SÓ DESEJAM O QUE EU DESEJO. Chegando ao momento da morte em estado de graça, seu livre arbítrio fixa-se no amor e eles não pecam mais. Suas vontades identificam-se com a minha. Se um pai, uma mãe veem ou, em sentido contrário, se um filho vê os pais no inferno, não se perturbam. Até se alegram por ver tal pessoa punida, como se fosse inimigo seu.

- Os bem aventurados em nada se distanciam de mim. SEUS DESEJOS estão saciados.
- Anseiam em ver-me glorificado por vós, viandantes e peregrinos que sois em direção a morte.
- Aspirando por minha honra, querem vossa salvação e sempre rogam por vós.
- De minha parte, escuto seus pedidos naquilo em que vós, por maldade, não opondes resistência a minha bondade.

- Os bem aventurados DESEJAM recuperar seus corpos; toda via não sofrem por sua ausência. Até se alegram, na certeza de que tal aspiração será realizada.
- A ausência do corpo não lhes diminui o prazer, não é angustiante, não faz sofrer.
- Nem julgues que a satisfação de ter o corpo após a ressurreição lhes traga maior bem aventurança. Se isso fosse verdade, seria sinal de que a felicidade anterior era imperfeita enquanto não o recuperassem, e isto não pode ser.
- De fato, nenhuma perfeição lhes falta:
Não é o corpo que faz feliz a alma, mas o contrário.

- Quando esta recupera o corpo no dia do Juízo, participará ele da plenitude e da perfeição da alma. Naquele dia, esta se fixará para sempre em mim, e o corpo -em tal união- ficará imortal, sutil, leve.
- Deves saber que o corpo ressuscitado pode atravessar uma parede, que o fogo e a água não o ofendem. Tal propriedade lhe advém, não de uma virtude própria, mas por uma força que gratuitamente concedo a alma, que foi criada a minha imagem e semelhança num inefável ato de amor.

- Tua inteligência não dispõe da capacidade necessária para entender, nem teus ouvidos para escutar, a língua para narrar e o coração para sentir qual a felicidade dos santos.
- Que prazer sentem na minha visão, que satisfação ao recuperar o corpo glorificado! Até o Juízo final não o possuem, mas sem sofrimento; suas almas já são perfeitas e o corpo apenas virá a participar dessa plenitude.

- Estava Eu falando da perfeição que o corpo ressuscitado receberá da humanidade glorificada de Jesus, a qual vos dá a certeza da ressurreição! No seu corpo brilham as chagas, sempre vivas; conservam-se as cicatrizes a implorar continuamente perdão para vós a mim, Pai eterno.
- Os bem aventurados assemelhar-se-ão a Cristo na alegria e no prazer: os olhos dos santos serão como os do Ressuscitado, as mãos como suas mãos, todo o corpo igual ao seu. Unidos a mim, estarão unidos a Ele, que é uma só coisa comigo.

- Serão felizes vossos olhos ao ver o corpo ressuscitado do meu filho. Por que? Porque a vida dos santos, ao encerrar-se no amor, não muda mais; como não podem praticar um bem ulterior, gozam daquilo que trouxeram. Já não fazendo obras meritórias -somente nesta vida é possível merecer ou pecar, segundo o livre parecer da VONTADE- aguardam o Juízo final sem temor.
- Mas também com alegria. Desse modo, a face de Cristo não lhe será um rosto severo e irado. Morreram no meu amor e no amor do próximo.

- Quando Cristo vier julgar com majestade divina, não o verão com severidade; tal acontecerá com os que serão condenados. Estes verão o Ressuscitado com rosto severo e justo. Para os santos sua face mostrar-se-á amorosa e cheia de misericórdia.


O Diálogo-Santa Catarina de Sena, 14.4

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Desejo Santo



Desejo Santo de Santa Catarina
- Desejando conhecer e seguir mais virilmente a Verdade, aquela serva elevou a Deus quatro pedidos: por si mesma, pela Igreja, pelo mundo e por um caso particular.
- O ardor era grande, contínuo. E aumentou ainda mais, quando a Verdade Primeira lhe revelou as necessidades do mundo, mostrando-lhe sua confusão e pecados.
- Tudo isso lhe acendia a chama do DESEJO SANTO, num misto de tristeza pelos pecados e de alegria pela esperança de que Deus haveria de dar solução a tantos males. 1.3

A culpa é reparada pelo amor
- Filha, fiz-te ver que a culpa não é reparada neste mundo pelos sofrimentos, suportados unicamente como sofrimentos, mas sim pelos sofrimentos aceitos com amor, com DESEJO SANTO -da glória divina e salvação dos homens-. 2.2
- Então Deus Pai, deixando-se levar pelas lágrimas e reter pelos laços do DESEJO SANTO daquela serva, olhou misericordiamente para ela e queixou-se nestes termos: Filha muito amável, tuas lágrimas me coagem, porque estão unidas a mim e são derramadas por amor; prendem-me os teus sofrimentos íntimos. 4.1
- Há um remédio, capaz de aplacar minha ira. São os meus servidores, quando se esforçam por coagir-me ao perdão com suas lágrimas, por reter-me com os laços do amor. Com essa corrente tu me amarraste! Dei tais servidores a ti, porque desejava ser misericordioso para com o mundo. É por tal motivo que infundo neles o ardor e o DESEJO de glorificar-me, bem como de salvar os homens.
- Quero ser coagido pelas suas lágrimas, diminuir a violência da minha justiça... é assim que realizarei o teu DESEJO. 4.4

Glória de Deus e Salvação dos homens
- Impulsionada pelo DESEJO SANTO, afervorou-se mais ainda e na fé pôs-se a refletir sobre o amor de Deus. Ela compreendia experimentalmente quanto somos obrigados a DESEJAR e promover a Glória Divina e a Salvação da humanidade. 9

Felicidade dos santos
- O homem justo, ao encerrar sua vida terrena no amor, já não poderá progredir na virtude. Para sempre continuará a amar no grau de caridade que atingiu ao chegar até mim. Também será julgado na proporção do amor.
- Continuamente me DESEJA, continuamente me possui; suas aspirações não caem no vazio.
- Ao DESEJAR, será saciado; ao saciar-se, sentirá ainda fome; distanciando-se, assim, do fastio da saciedade e do sofrimento da fome.
- Os bem aventurados continuam no céu, eternamente, aquele mesmo amor com que encerraram a vida terrena. Conformam-se inteiramente a minha vontade, só DESEJAM o que Eu DESEJO. Chegando ao momento da morte em estado de graça, seu livre arbítrio fixa-se no amor e eles não pecam mais. Seus DESEJOS estão saciados. 14.4
- Sou um Deus imutável, livre da acepção de pessoas, unicamente atento ao DESEJO SANTO.
- A felicidade dos santos é possuir a vontade satisfeita em todas as suas aspirações. Ao DESEJAR-ME, possuem-me. Só DESEJAM o que Eu DESEJO.
- Separando-se do corpo, a vontade dos bem aventurados realiza-se: ao DESEJO de ver-me corresponde a visão, e com ela, a beatitude. Vendo, conhecem-me; conhecendo, amam-me; amando, saboreiam-me; saboreando realizam-se quanto ao DESEJO de me ver e conhecer.
- DESEJANDO, possuem; possuindo, DESEJAM.
- Como disse o sofrimento está distante do DESEJO e o fastio da saciedade. Como vês, meus servidores são felizes, especialmente na visão celeste. Ela satisfaz seus DESEJOS, sacia suas vontades.
- Neste sentido afirmei que a vida eterna consiste na posse das coisas que a vontade DESEJA, isto é, conhecer-me, ver-me. 14.9

Ilusão do pecado
- O demônio convida os homens para a água morta, a única que lhe pertence, cegando-os com prazeres e satisfações do mundo. Usa o anzol do prazer e fisga-os mediante a aparência de bem. Sabe ele que por outros caminhos nada conseguiria; sem o vislumbre de um bem ou satisfação, os homens não se deixam aprisionar.
- Quando o homem decide suportar as tentações, parece-lhe difícil a quem DESEJA seguir a estrada da Verdade. Há sempre luta entre a consciência de um lado e a sensualidade do outro.
- Mas quando a pessoa virilmente renega a si mesma e se decide dizendo: "Quero seguir Cristo crucificado", então ela quebra aqueles espinhos e descobre inestimável doçura. A doçura será maior ou menor conforme a boa disposição e o esforço pessoal. 14.8

Riquezas
- As almas DESEJOSAS de grande perfeição, desprezaram o ouro, afetiva e efetivamente; estes são os que seguem os conselhos evangélicos quanto ao DESEJO e quanto a prática, conforme o legado de Cristo.
- Outros, na posse de bens, seguem os conselhos evangélicos somente pelo DESEJO não na vida prática.
- Como os conselhos evangélicos estão ligados aos mandamentos, ninguém vive estes últimos se não segue os conselhos, senão efetivamente, pelo menos quanto ao DESEJO. Em outras palavras: o cristão que possui bens, deve fazê-lo na humildade, sem orgulho, como coisa emprestada, não própria.
- O afeto do coração deve estar em mim, não nas coisas externas; elas não pertencem aos homens, são dadas em empréstimo.
- Não tenho preferência por pessoas ou posições sociais; somente pelos DESEJOS do coração. 14.11

Remorso
- Quanta ilusão produz o remorso; como se martiriza quem DESEJA vingar-se! O homem DESEJOSO de vingança se corrói e morre antes mesmo de matar o inimigo. O primeiro morto é ele mesmo. Mata-se com o punhal do ódio. 14.12

Adversidades
- Venham de onde vierem, as adversidades são instrumentos meus que fazem meus servidores padecer no corpo; perseguidos pelo mundo, nada sofrem no espírito. Identificaram-se com a minha vontade e até se alegram em tolerar males por mim.
- Quanto aos pecadores sofrem externe e internamente. Sobretudo internamente! Seja pelo medo de perder quanto amam, seja por DESEJAR o que não conseguem adquirir. 14.13

Perseverança
- Quem não persevera, jamais realiza seus DESEJOS, levando a termo o que começou. 14.14


 O Diário | Santa Catarina de Sena

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Vícios: Impureza, Ganância e Poder

Julgamento falso e repreensões divinas
- Por causa dos vícios: Impureza, Ganância e Poder, os pecadores pronunciam um julgamento falso, como passo a explicar-te.
- Embora sejam retas as minhas ações e praticadas com amor e justiça, os pecadores continuamente se opõem a elas.
- Foi com semelhante falso juízo, envenenado ainda pela inveja e orgulho, que (os judeus) injustamente condenaram a atividade de meu Filho.
- Mentindo eles diziam: "Ele age na força de Belzebu" Mateus 12,24.
- Hoje os pecadores comportam-se da mesma maneira, cheios de egoísmo, impureza, orgulho, ganância e inveja.
- Baseados em interpretações falsas, impacientes e por outros defeitos, em tudo se opõem a mim e a meus servidores, que chamam de fingidos.
- Donos de um coração corrompido e de uma viciada percepção dos fatos, julgam más as coisas boas e vice versa.
- Ó cegueira humana, que nem respeitas a própria dignidade:
·         sendo grande, fazes-te pequena;
·         de senhora, tu fazes-te escrava do mais vil patrão, o pecado.
- Tornas-te semelhante aquele a quem serves e como o pecado é nada, a nada te reduzes. Perdes-te a vida, encontraste a morte.
- O Verbo Encarnado, meu Filho único e ponte de glória, deu aos homens vida e grandeza:
·         Eram escravos do demônio e ele os libertou.
·         Para que cumprisse tal missão, tornei-o servo;
·         para cobrir a desobediência de Adão, exigi que obedecesse;
·         para confundir o orgulho, humilhou-se até a morte de cruz.
- Por sua morte, destruiu o pecado; já ninguém, pode dizer: "Restou este ou aquele vício, que não foi remido com seus sofrimentos."
- No intuito de livrar a humanidade da morte eterna, fez de seu corpo uma bigorna (Cristo atrai a si todas as coisas) e usou todos os remédios.
- No entanto, os pecadores desprezam seu sangue, pisoteiam-no com um amor desordenado.
- Esta é a injustiça, este o julgamento falso a respeito do qual o mundo é e será repreendido até o dia do Juízo Final. A esse respeito, dizia meu Filho: "Mandarei o Paráclito; Ele repreenderá o mundo da injustiça e do julgamento falso." João 16,8.
- Tal repreensão começou quando enviei o Espírito Santo sobre os apóstolos. 

São três as repreensões:
1ª repreensão: A Voz da Igreja
- A primeira repreensão iniciou, com a vinda do Espírito Santo sobre os discípulos. Fortalecidos pelo Meu Poder, iluminados pela Sabedoria do amado Filho, receberam a Plenitude do Espírito Santo. Este, que é uma só coisa comigo e com meu Filho, repreendeu então o mundo pela boca dos apóstolos através da mensagem de Cristo.
- Por tal forma, eles e os sucessores que ouviram a Verdade, repreendem o mundo.
- É a mesma perene repreensão, sempre feita ao mundo pelas Escrituras Sagradas e pelos meus servidores.
- Coloco o Espírito em seus lábios e eles dizem a verdade, da mesma forma como o demônio se põe na boca dos seus asseclas, que pecaminosamente vão pelo rio do pecado.
- É a mesma doce e contínua repreensão realizada por mim com imenso amor pela salvação humana.
- Não se pode dizer: "Ninguém me chamou a atenção"!
A todos foi mostrada a verdade sobre o vício e a virtude,
sobre os frutos das virtudes e as conseqüências do pecado.
- Para que odiassem o mal e amassem o bem, a todos foi oferecido o amor e o santo temor.
- Nem foi um anjo a lhes revelar a mensagem da Verdade, de modo que pudessem escusar-se, dizendo: "O anjo é um espírito feliz, não padece, não sente as fraquezas da carne como nós ou o peso do corpo". Não, não podem falar assim, pois enviei-lhes o Filho, homem mortal como vós.
- E os demais servidores do meu Filho, como eram?
- Criaturas mortais e passíveis como vós, sujeitos as lutas da carne contra o espírito. Assim aconteceu com o glorioso apóstolo Paulo, assim com os outros santos.
- Cada um deles, a seu modo, sofreu as tentações da Sensibilidade. (14.2)
- Permiti e ainda permito essas dificuldades para o crescimento da graça e das virtudes nas almas. Como vós, os santos nasceram no pecado, nutriram-se do mesmo alimento (Eucaristia).
Também Eu Sou o mesmo Deus daquelas épocas;
Meu Poder não diminuiu.
Posso, quero e sei socorrer a quem deseja ser por mim socorrido.
- Assim os pecadores abandonam o Rio do Pecado e vão pela Ponte, vivendo a mensagem do meu Filho.

2ª repreensão: O Juízo particular
- Os pecadores não podem desculpar-se.
- Continuamente são por mim convidados ao Conhecimento da Verdade (conforme Catecismo da Igreja Católica §851).
- Não se corrigindo enquanto podem fazê-lo, uma segunda repreensão os condenará. Ela acontece no último instante da vida, quando meu Filho chamar:
"Levantai-vos, ó mortos, vinde para o julgamento"!
- Tu que morreste para a graça e morto chegas ao fim da vida terrena, levanta-te, aproxima-te do Supremo Juiz. Aproxima-te com tua maldade, com teus julgamentos falsos, com a lâmpada da fé apagada. No Santo Batismo, ela foi-te entregue acesa; tu a apagaste com o sopro do orgulho e da vaidade do coração, usados como velas enfunadas as ventanias contrárias a salvação.

- O amor da fama soprava teu amor próprio (egoísmo) e tu corrias alegre pelo rio dos prazeres mundanos; seguias a frágil carne, as incitações do demônio, as tentações. Tua vontade era um pano retesado e o diabo te conduziu pela estrada do mal, junto com ele, para a eterna condenação.
- Filha muito querida, esta segunda repreensão se dá no fim da vida, quando não há mais remédio.
- Ao chegar no instante da morte, o homem sente remorso.
- Já afirmei que ele é um verme cego por causa do egoísmo.
- No instante final, quando a pessoa compreende que não pode fugir das minhas mãos, esse verme recupera a visão e atormenta interiormente a pessoa, fazendo ver que por própria culpa chegou a tão triste situação.

- Se o pecador se deixar iluminar e se arrepender - não por medo dos castigos infernais, mas por ter ofendido a suma e eterna bondade - ainda será perdoado.
- Mas se ultrapassar o momento da morte nas trevas, no remorso, sem esperança no sangue ou, então, lamentando-se apenas pela infelicidade em que se acha - e não por ter me ofendido - irá para a perdição.
- Sobrevirá, pois, a Repreensão pela injustiça e Julgamento falso:
·         Em primeiro lugar, a Repreensão da injustiça e do Julgamento falso em geral, praticados no conjunto de suas ações;
·         depois, em particular, do último instante, quando o pecador considera seu pecado maior que minha misericórdia.
- Este (Mateus 12,32) é o pecado que não será perdoado, nem aqui nem no além. O desprezo voluntário da minha misericórdia constitui pecado mais grave que todos os anteriores. Neste sentido, o desespero de Judas desagradou-me e foi mais grave que a sua traição.
- Também para meu Filho! É por causa deste (último) Julgamento falso que o pecador sofre a repreensão, ou seja, porque acha que sua falta é maior que meu perdão. Este é o motivo da punição, indo sofrer eternamente com os demônios.

- A Repreensão da injustiça acontece porque os pecadores sentem mais tristeza pelos próprios danos que por me terem ofendido.
- São injustos, no sentido de que não atribuem a mim o que me pertence e a si o que é deles.
- A mim deveriam oferecer o amor, a tristeza e contrição dos pecados cometidos. Mas agem no sentido oposto, só demonstrando auto compaixão e angústia pelo castigo que lhes merecem seus pecados. Como vês, são injustos. E por tal motivo são punidos por uma e outra coisa.
- Já que desprezaram meu perdão, com justiça mando-os ao castigo (Mateus 25, 41), juntamente com a Sensualidade e o tirano demônio, a quem na Sensualidade serviam.
- Já que solidariamente me ofenderam, juntos serão punidos e atormentados. Os próprios demônios, encarregados por mim de cumprir a sentença de justiça, atormentá-los-ão.
- Filha, tua linguagem é incapaz de descrever os sofrimentos, destes infelizes.
- Sendo três os seus vícios principais - egoísmo, medo de perder a boa fama e orgulho - os quais se acrescentam a injustiça, a maldade e vergonhosos pecados, no inferno os pecadores padecem quatro tormentos principais:
Primeiro tormento no inferno: a ausência da visão de Deus.
- Um sofrimento tão grande que os condenados, se fosse possível, prefeririam sofrer o fogo vendo-me, que ficar fora dele sem me ver.

Segundo tormento no inferno: o remorso.
- Como conseqüência, é o remorso que corrói interiormente o pecador privado de mim, longe da conversação dos anjos, a conviver com os demônios.

Terceiro tormento no inferno: visão do diabo.
- Ao vê-lo, duplica-se o sofrer.
- No céu os bem-aventurados exultam com minha visão e sentem rejuvenescer o prêmio recebido pelas fadigas amorosamente suportadas (no mundo);
- Da mesma forma, mas em sentido contrário, os infelizes danados vêem crescer seus padecimentos ao verem os demônios. Nestes, eles se conhecem melhor, entendendo que por própria culpa mereceram o castigo.
- Assim o remorso os martiriza e jamais cessará o ardor da consciência.
- Muito grande é este tormento, porque o diabo é visto no próprio ser; tão horrível é sua fealdade, que a mente humana não consegue imaginar.
- Se ainda o recordas, já te mostrei o demônio uma vez assim como ele é; foi por um átimo de tempo. Quando retornaste aos sentidos, preferias caminhar por uma estrada de fogo até o Juízo final que tornar a vê-lo.
- No entanto, apesar do que viste, ignoras sua fealdade. Especialmente porque, segundo a justiça divina, ele é visto mais ou menos horrível pelos condenados, segundo a gravidade das culpas.

Quarto tormento no inferno: fogo.
- Um fogo que arde sem consumir, sem destruir o ser humano.
- É algo de imaterial, que não destrói a alma incorpórea.
- Na minha justiça permito que tal fogo queime, faça padecer, aflija; mas não destrua.
- É ardente e fere de modo crudelíssimo em muitas maneiras, conforme a diversidade das culpas.
- A uns mais, a outros menos, segundo a gravidade dos pecados.

- Destes quatro tormentos derivam os demais: o frio, o calor, o ranger de dentes (Mateus 22,13).
- Como vês, repreendo os pecadores nesta vida por seus Julgamentos falsos e injustiças;
·         se não se corrigem, faço-lhes uma segunda repreensão na hora da morte;
·         pela ausência de esperança e arrependimento, sobrevem-lhes a morte eterna em indizível infelicidade.


3ª repreensão: O Juízo final
- Passo a tratar do Julgamento geral, quando a alma do condenado sentirá renovar-se o seu tormento, e mesmo aumentar, com a recuperação do corpo.
- Será um padecimento intolerável, acompanhado de muita confusão e vergonha. Quero que entendas quanto se enganam os pecadores (neste mundo).
- Por ocasião do Juízo final, o Verbo encarnado virá com divina majestade para repreender o mundo. Não mais se apresentará pobrezinho, na forma como nasceu da Virgem numa estrebaria, entre animais, para morrer depois no meio de ladrões.
- Naquela ocasião, ocultei nele o Meu poder e permiti que suportasse penas e dores como homem:
·         A natureza divina se unira a humana e foi enquanto homem que sofreu para reparar vossas culpas.
- No Juízo final, não será assim, pois virá com poder a fim de julgar:
·         As criaturas humanas estremecerão e Ele a cada um dará a sentença conforme o merecimento.
- Tua língua não consegue exprimir o que se sucederá aos condenados.
- Para os bons, Jesus será motivo de temor santo e alegria imensa.

- Em si mesmo, meu Filho não terá diferenças, pois sendo Deus, é imutável. Ele é uma só coisa Comigo.
- Pela gloria da ressurreição, até a natureza humana não padece mudanças.
- Mas os condenados não o verão assim:
·         Olhá-lo-ão com visão obscurecida e horrível, como lhes é próprio.
- O olho doentio, mesmo diante do sol, somente vê escuridão, ao passo que o olho sadio vê apenas luz. Não que o sol, em sua luz, transforme-se diante do cego ou daquele que possui bons olhos. o defeito está na cegueira.
- O mesmo acontece com os condenados:
·         Verão o Ressuscitado em escuridão, na confusão, no ódio.
Repito: não por imperfeição da Majestade divina, que virá julgar o mundo, mas por causa da própria cegueira.
- Grande é o ódio dos condenados, pois já não amam o bem. Blasfemam continuamente contra mim!
- Queres saber por que já não podem desejar o bem?
- É porque, no fim desta vida, vincula-se o Livre Arbítrio.
- Com o cessar do tempo, já não se merece mais.
- Quem termina esta existência no pecado mortal, por direito divino fica para sempre apegado ao ódio, obstinado no mal, a roer-se interiormente.
- Seus sofrimentos irão aumentando sempre, especialmente por causa das demais pessoas que por sua causa irão para a condenação:
- Tendes a respeito disto o exemplo do rico epulário (Lucas 16,27), que suplicava a Lázaro para que fosse até seus irmãos, no mundo, a fim de adverti-los sobre os futuros castigos.
- Ele não agia assim por amor e compaixão deles.
- Não tinha mais a virtude da caridade, nem poderia desejar-lhes o bem, seja querendo honrar-me ou salvar os irmãos.
- Já te disse anteriormente que os condenados ao inferno não podem fazer o bem:
·         eles só blasfemam contra mim, uma vez que suas vidas acabaram no ódio a todo bem.
- Porque então o rico epulário fala daquela maneira?
- Porque fora o mais velho dos irmãos e dera-lhes maus exemplos durante a vida:
·         Pessoalmente era causa de condenação para eles.
- Se viessem para a sua companhia, teria seus próprios tormentos aumentados.
O Diálogo | Santa Catarina de Sena 14.3

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Pecado e morte

O pecado e a morte
- Naquele momento extremo, o homem pecador será acusado pelo demônio, pelo mundo e pela carne.
- Não mais lhe farão propostas atraentes; não lhe apresentarão o amargo como doce o imperfeito como perfeito, como acontecia durante a vida.
- A Verdade virá patenteada como é.
- O remorso, antes tão enfraquecido, ladrará velozmente, quase levando o pecador ao desespero.
- Não obstante os próprios pecados; é preciso conservar a esperança no Sangue de Cristo. Meu perdão é dado por meio Dele e Minha Misericórdia é infinitamente maior do que todos os males do mundo.
- Não se demore, porém. É terrível achar-se desarmado num campo de batalha entre numerosos inimigos!

A morte do bom
- Sabes que o sofrimento existe por causa da vontade: ninguém padeceria, se a vontade de todos fosse reta e estivesse em conformidade com a minha vontade. Com isto não quero dizer que iriam desaparecer as dificuldades.
- É o sofrimento que não existiria, pois as contrariedades seriam voluntariamente aceitas por meu amor. As pessoas aceitariam-nas, por saber que são queridas por mim.
- O homem conformado a minha vontade é:
* desapegado de si mesmo,
* vence o mundo,
* o demônio e
* a carne;
ao chegar o momento da morte, seu falecimento acontece na paz.
- Como seus inimigos foram vencidos durante a vida:
* o mundo não o perturba, pois conhece as suas ilusões e já renunciou a seus prazeres;
* a carne enfraquecida não se ergue para o acusar, uma vez que foi dominada pela mortificação, vigílias, oração humilde e continua.
- Graças a renuncia ao pecado e apego a virtude, não sente mais tendências para o que é sensível e amor pelo corpo; atitudes essas que tornam a morte indesejável.
- Por um sentimento natural, o homem teme a morte; o justo supera esse sentimento, vence o medo natural mediante o desejo de alcançar a meta. Desaparece, pois, todo sofrimento que vem do apego natural ao corpo.

- A consciência do homem justo que agoniza está tranquila; durante a vida ela montou boa guarda, dera o alarme quando os inimigos da alma queriam assaltar a cidade interior.
- Como o cachorro late a chegada dos inimigos (sentidos) e acorda os guardas (potências), assim ela sempre advertira a razão. Esta última, em ação conjugada com o Livre arbítrio, distinguia quem era amigo, quem não:
* Diante dos amigos –virtudes e santos desejos do coração- acolhia-os com atenções;
* Diante dos inimigos –vícios e maus pensamentos- eram afastados com a espada do ódio e do amor.
- Dessa forma a consciência não atormenta.
- O interior da pessoa constitui uma família feliz, tudo está em paz.

- É verdade que o homem humilde, que conhece o valor do tempo e das virtudes, acusa-se na hora da morte por não ter aproveitado melhor a própria vida. Mas tal atitude não causa aflição; é mesmo meritória. Leva a pessoa a concentrar-se e a considerar o Sangue do Cordeiro Imaculado e humilde.
- Naquele instante a alma não fica a pensar nas virtudes praticadas; sabe que não pode confiar nelas, mas unicamente no Sangue de Cristo, onde achou o perdão.
- Mas como a lembrança do Sangue sempre a acompanhara, também naquele último instante nele se inebria e afoga.

- Quanto aos demônios, não tendo em que acusar o justo, aproxima-se a procura de qualquer coisa. São feios e crêem atemorizar o justo por suas figuras. Como no justo não há pecado, a visão dos demônios não atemoriza. E eles, ao notar a alma mergulhada no Sangue de Cristo, afastam-se atacam de longe, sem perturbar o homem.

- De fato, este justo, já começou a gozar da vida eterna:
* Pela fé, já contempla o bem infinito e eterno, que Sou Eu;
* Pela esperança, não por méritos pessoais mas por dom gratuito, está seguro de atingir-me na virtude do Sangue de Cristo;
* Pela caridade, estende seus braços e abraça-me.
- Antes de chegar a Mim a alma já Me possui.
- Bondosamente os coloco em seus respectivos lugares, conforme o grau de amor com que até mim chegaram.

A morte do mau
- Se grande é a dignidade do bom sacerdote, enorme é a baixeza do mau sacerdote. No momento de falecer, os demônios o acusam tremendamente e mostram-lhe sua figura que é horrível.
O homem deveria tolerar qualquer sofrimento nesta vida para não o ver jamais!
- O remorso corrói o mau sacerdote moribundo com mais violência; a sensualidade até então considerada como senhora –e também os prazeres desordenados, acusam-no. Ao tomar consciência de coisas que desconhecia, o mau se perturba grandemente, pois vivera como um infiel.
- O egoísmo apagara-lhe a iluminação da fé. Agora o demônio aponta a maldade, provocando-lhe o desespero.
- Muito difícil esta batalha para o mau sacerdote moribundo, desarmado, sem o escudo da caridade.
- Qual amigo do diabo, de tudo se vê despojado: não possui a Iluminação sobrenatural da fé, nem a Ciência Sagrada.
- Nada compreendera desta ultima, porque a soberba não lhe permitira penetrar em sua natureza intima. Na grande luta final, nem sabe o que fazer. Não se alimenta de esperança; jamais confiara no Sangue de Cristo, do qual fora distribuidor. Sua confiança repousava em si mesmo, nos cargos importantes, nos prazeres mundanos.

(O Diálogo-Santa Catarina de Sena, pg 282; 284; 288)

domingo, 5 de janeiro de 2014

Misericórdia e Justiça

Justiça, misericórdia e fidelidade
Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que pagais o dízimo da hortelã, do coentro e do cominho, mas omitis as coisas mais importantes da lei:
  • a justiça,
  • a misericórdia e
  • a fidelidade.
Importava praticar estas coisas, mas sem omitir aquelas.
Condutores cegos, que coais o mosquito e tragais o camelo!
Mateus 23, 23-24

Misericórdia e Justiça
- Nosso corpo possui uma Lei perversa que continuamente luta contra o espírito.
- Minha filha, a Providência jamais faltará para quem a deseja, isto é, para quem espera em mim com perfeição.
- Refiro-me as pessoas que realmente me imploram no amor e na luz da fé, e não apenas com palavras.
- Quem me suplica só com palavras: “Senhor, Senhor” jamais experimentará Minha Divindade, Minha Providência.
Não os reconheço.
- Quem me invoca sem (a prática das) virtudes,
só reconheço pela justiça, não pela misericórdia.

- Afirmo-te, pois, que Minha Providência não falha em favor dos que esperam em mim.
- Quero, porém, que te dirijas a mim na paciência; desejo ajudar essas pessoas e todos os que criei a minha imagem e semelhança, num grande ato de amor.
- Não reconheço os que me imploram:
  • Sem a prática das virtudes;
  • Sem a vivência da Justiça.
- Eu te garanto:
  • Jamais faltará minha providência para quem nela espera.
  • Somente estará ausente para os que se desesperam ou confiam em si mesmos.
(O Diálogo-Santa Catarina de Sena, pg304; 405)

Dia da Justiça
- Escreve isto: Antes de vir como Justo Juiz, venho como Rei da Misericórdia.
- Antes de vir o dia da justiça, nos céus será dado aos homens este sinal:
Apagar-se-á toda a luz no céu e haverá uma grande escuridão sobre a terra. Então aparecerá o sinal da Cruz no céu, e dos orifícios onde foram pregados as mãos e os pés do Salvador sairão grandes luzes, que, por algum tempo, iluminarão a Terra.
- Isto acontecerá antes pouco antes do último dia.
Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de misericórdia para nós,
eu confio em Vós!
O Diário-Santa Faustina §83

Misericórdia e Justiça
- Sabendo que Deus é Justiça, mas também Misericórdia, o Profeta Jeremias clamou o quanto pôde por seus irmãos, até que Deus o proibiu de interceder por eles:
“Quanto a ti, não intercedas por esse povo. Não ergas em favor deles queixas ou súplicas e não insistas junto a Mim, porque não te escutarei. Não vês o que faz eles nas cidades? Os filhos juntam lenha, os pais acendem o fogo e as mulheres sovam a massa para fazer tortas destinadas à rainha do céu, depois fazem libações a deuses estranhos, o que provoca a Minha ira. Eles se firmam na falsidade e recusam converter-se. Ninguém se arrepende de sua maldade...” Jr 7, 16-18; 8, 5-6.
- Nem o Rei nem o povo quis ‘escutar’ a voz de Deus pela boca do Profeta. A história diz o trágico fim de Jerusalém por sua ‘desobediência’ a Palavra de Deus. Jr 39

- Deus é Misericórdia no sentido de proteger e guardar aqueles que lhe ‘obedecem’ e seguem os ‘caminhos’ que Ele indica, pois Ele sabe melhor que nós mesmos o que é ideal para nossa vida.

- Deus se torna Justiça no sentido de deixar os ‘desobedientes’ em sua auto-suficiência para conhecerem o certo e o errado, a luz e as trevas, a vida e a morte.
- Portanto, a Misericórdia e Justiça Divinas, não se anulam, não são opostas, mas se complementam. Poderíamos definir que a Misericórdia de Deus age para os ‘obedientes’; e a Justiça é consequência das escolhas dos ‘desobedientes’.
“Aquele que caminha na justiça e só fala a verdade, que se recusa a ficar rico com a exploração, que esconde a mão para não aceitar suborno, que tapa os ouvidos para não ouvir proposta assassina, que fecha os olhos para não apoiar a injustiça; este habitará nas alturas, os lugares inacessíveis dos rochedos serão o seu refugio. O pão de que necessita lhe será dado, e a água para a sua subsistência lhe será assegurada.” Isaias 33, 15-16
- Não reconheço os que me imploram:
  • Sem a prática das virtudes;
  • Sem a vivência da Justiça.
- Eu te garanto:
  • Jamais faltará minha providência para quem nela espera.
  • Somente estará ausente para os que se desesperam ou confiam em si mesmos. (O Diálogo-Santa Catarina de Sena, pg304)
- Outra face da Misericórdia e da Justiça seria a ação daquele que ‘escuta’ a Palavra de Deus e a põe em prática, este é um homem sensato; diferente daquele que ‘escuta’ a Palavra de Deus e não as pratica, este homem é comparado a um insensato, com certeza colherá os frutos de suas escolhas. Mateus 7, 24-27
- Onde encontrar a Misericórdia de Deus?
Em Sua Palavra.
- Onde está Sua Palavra Senhor?
Na Igreja.

“Minha filha (o), medita sobre a vida divina que está contida na Igreja, para a salvação e a santificação da tua alma. Reflete sobre como estás aproveitando estes tesouros de graças, estes esforços do Meu amor.”
(O Diário-Santa Faustina §1758)


Oremos: “Senhor, abre meus olhos para eu contemplar as maravilhas que vêm de tua Lei. Eu sou um estrangeiro na terra, não escondas de mim teus mandamentos. Minha alma se consome desejando tuas normas todo o tempo. Eu escolhi o caminho da verdade, e me conformo ás tuas normas. Ensina-me o bom senso e o saber, pois eu creio nos teus mandamentos.” Salmo 118