Mostrando postagens com marcador Matrimônio. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Matrimônio. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 15 de julho de 2020

Consagração de sua casa como Refúgio / Padre Michel Rodrigue 16



Consagração de sua casa como Refúgio / Padre Michel Rodrigue 16

- Você precisará de água e sal exorcizado, que são ainda mais potentes contra o inimigo do que água abençoada e sal abençoado.

- Se você se sentir chamado, poderá consagrar sua casa e sua terra onde mora para oferecê-la como refúgio, se o Pai assim o desejar.

- Com a generosidade do Espírito Santo em seu coração, você pode agir com Ele para fazer a vontade de Nosso Pai e, em seguida, fazer uma oração de consagração em seu coração.

- Não precisa ser formal.

“Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Deus Pai, através do Teu Filho amado, que derramou Seu sangue na cruz para nos salvar, eu consagro minha casa e minha terra a Ti.

É seu. Por favor, use-o como desejar para a segurança do seu povo.

Eu consagro esta terra e lar para você através da intercessão do Imaculado Coração de Maria, para estar sob o Espírito Santo durante o tempo de purificação.”

- Então você terá água benta e sal abençoado que foram exorcizados.

- Pegue a água exorcizada e polvilhe-a por dentro, fazendo o sinal da cruz: “Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

- Lá fora, em sua terra, pegue o sal exorcizado e polvilhe-o diante de você, atrás de você e de ambos os lados, fazendo o sinal da cruz, e o sal se misturará com a sua terra.

 

- Em primeiro lugar, esta é uma oração do seu coração.

- Você pergunta ao Pai através do Coração de Jesus porque Ele derramou Seu sangue por nós na Cruz.

- Através da intercessão do Imaculado Coração de Maria, sob a sombra do Espírito Santo, você consagra seu lar à vontade do Pai pelo que Ele deseja fazer com ele.

- Ele será o dono da sua casa agora.

- Você faz a mesma coisa lá fora com sua terra.

- Faça a mesma oração pela sua terra para que o Senhor faça com ela o que ele deseja.

- O Senhor tem perfeito conhecimento da geografia de sua propriedade.

- Não se preocupe.

- Quando você consagra sua terra, ela pertence a Ele e estará sob a proteção de um anjo.

- Quando chegar a hora de as pessoas se refugiarem, ninguém poderá entrar sem o sinal da cruz na testa, reconhecido por você e pelo anjo, na frente de sua propriedade.

- Quando você consagra sua terra, sua casa, o refúgio é protegido pelo anjo sagrado do Senhor, não apenas pelo espaço delineado que você consagrou, mas também por todos os seus habitantes nessa área.

- Isso significa que se alguém vier à sua casa com o espírito do diabo, o diabo ficará de fora.

- A pessoa pode entrar, mas o espírito esperará que ela retorne. Não passará.

- Você não pode consagrar o lar de outra pessoa, porque deve ser um ato de livre arbítrio diante do Pai.

- A consagração deve seguir o coração.

- Todo mundo tem a capacidade de abrir seu coração para o Pai.

- Ele respeitará a vontade deles.

- É isso que chamamos de disposição interna do coração para cumprir a vontade do Senhor.

- Você pode consagrar sua casa e terra se seu cônjuge não é um católico praticante?

- Sim, porque você é o dono da terra e da casa.

- E quando chegar o dia, você será feliz que está feito.

- Quando você é locatário, significa que você pode consagrar o espaço que lhe pertence, mas não pode consagrar a terra.

- Você apenas consagra o apartamento onde está e estará protegido.

- Você pode consagrar um lugar onde não mora, se você é o dono do espaço, porque isso será para o povo do Senhor no tempo em que o Senhor abalará este mundo.

- Uma ordem leiga pode ser consagrada como um lugar seguro?

- Sim absolutamente.

- Mas a ordem precisa estar disposta a fazer isso.

- A consagração é um evento único ou será necessário repetir?

- É uma coisa única.

- Eu asseguro que quando o Pai toca em algo, é tocado para sempre, a menos que um lugar seja profanado.

- Se houver um pecado mortal naquela terra, no lar ou no refúgio, ele teria que ser reconsagrado.

- Quando uma igreja consagrada é profanada por atividades de pecado mortal lá, o bispo deve reconsagrar a igreja.

Fr. Michel Rodrigue

 

A Bênção da Água Benta

- Antes do Vaticano II, quando a água benta [era] abençoada, o padre lê várias orações, que incluem um exorcismo do sal e da água.

- Um exorcismo é o banimento de espíritos malignos.

- Os Padres da Igreja nos ensinam que, quando Satanás causou a queda de nossos primeiros pais, ele também obteve influência sobre coisas inanimadas destinadas ao uso do homem; e, portanto, quando qualquer objeto material deve ser dedicado ao serviço de Deus, a Igreja frequentemente prescreve para ele uma forma de exorcismo, para libertá-lo do poder do Maligno.

- As orações usadas nesta cerimônia são muito bonitas e expressam bem as razões do uso da água benta.

- Os que são ditos sobre o sal invocam o poder do "Deus vivo, o Deus verdadeiro, o Deus santo", para que quem o usa possa ter saúde da alma e do corpo;

para que o diabo se afaste de qualquer lugar em que for aspergido;

quem quer que seja tocado por ela será santificado e libertado de toda impureza e de todos os ataques dos poderes das trevas.

- As orações feitas sobre a água são dirigidas ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, para que, através do poder da Santíssima Trindade, os espíritos do mal possam ser completamente expulsos deste mundo e percam toda a influência sobre a humanidade.

- Quando Deus é suplicado para abençoar a água, para que seja eficaz na expulsão de demônios e na cura de doenças.

- Então o padre coloca o sal na água na forma de uma cruz tríplice, dizendo: “Que essa mistura de sal e água seja feita em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” - depois que outra oração é recitado, no qual Deus é solicitado a santificar esse sal e água, para que, onde quer que seja aspergido, todos os espíritos malignos serão expulsos e o Espírito Santo estará presente.”

Fr. Sullivan, Externos da Igreja Católica.

 

Para continuar no próximo post do "retiro virtual" com o Padre Michel, clique aqui:

Falsos sinais e Falsos profetas / Padre Michel Rodrigue 17

domingo, 11 de maio de 2014

Decisão em casal, testemunho

- Somos casados a 26 anos e por longos anos nossas ‘atitudes egoístas’ (Galatas 5, 19) estavam nos levando ao caos.
- Por inspiração do Espirito Santo, o Senhor nos agraciou com esse discernimento que renovou nosso Matrimônio e passamos a ter ‘atitudes de amor’ (Galatas 5, 22).
- As dificuldades e provações continuam, mas a forma de encarar os fatos faz a diferença (II Corintios 4, 7-9; 16-18).
- Assim como nos foi útil, desejamos e rezamos para que o seja também a vós.
- No final, dê sua opinião e compartilhe suas experiências para somarmos aqui a melhor forma de administrar as diferenças.

- Antes de tomar alguma decisão pensar no projeto, considerando:
  • Margens de erro;
  • Hipóteses, idéias e possibilidades a favor e contra;
  • Leis morais, éticas e religiosas (ler Provérbios 3,5)
  • Não sejam ingênuos achando que é o melhor e único negócio do mundo, negócios bons sempre vão existir.
  • Rezar juntos;
  • Participar juntos, ao menos em uma Missa antes de cada decisão.

- Não tomar decisão:
  • Na emoção ou nervosismo;
  • No mesmo dia;
  • Antes de compartilhar com outra pessoa que já viveu os benefícios do projeto em questão;
  • Antes de compartilhar com seu cônjuge, pois o Matrimônio prove graças especiais quando se há comunhão.

- Não ter vergonha de dizer não, pois as consequências da decisão recairá sobre você. 
(ler Eclesiástico 4, 20-22)
- Não ter escrúpulo de voltar atrás.

- Se mesmo assim tomaram a decisão errada, assumam juntos, as perdas, os riscos, custos...

- Comecem juntos, de novo, um novo projeto.

-  Aproveitem a experiência vivida.

“O Senhor há de prover as nossas necessidades.
Ao invés de perder tempo pelas ruas, em pedir e incomodar os benfeitores,
empregue tempo em encomendar o caso àquele que move os corações”
São João da cruz, 80 + Eclesiástico 10, 4-5

“Buscai, em primeiro lugar,
o Reino de Deus e a sua justiça,
e todas essas coisas vos serão acrescentadas.
Não vos preocupeis, portanto, com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã se preocupará consigo mesmo. A cada dia basta o seu mal."                                                                                   Mateus 6,33-34


José Paulo Sanitá e Sandra Sanitá

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

União

U n i ã o
“Deus convoca todos os homens dispersos pelo pecado, para a unidade da sua família, que é a igreja.
Faz isto através do Filho, que enviou como redentor e Salvador quando os tempos se cumpriram” (CIC 1)

União com a Igreja
- Igreja = Corpo Místico de Cristo
- Cristo = Cabeça
- Todo batizado = Membro do Corpo
- Espírito Santo = Alma do corpo
* No batismo o Espírito Santo toma posse de nós, nos faz membros do Corpo Místico de Cristo, para que dia após dia nos tornemos mais semelhantes ao nosso Salvador.
* É um corpo em que cada membro se beneficia: 1-De cada missa que se celebra; 2-De cada oração que se oferece; 3-Cada boa obra que se faz por cada um dos outros membros, em qualquer lugar do mundo.
* Nós nos separamos deste corpo pelo pecado. Como um torniquete ao dedo o pecado interrompe o fluxo vital, que somente é retirado pelo arrependimento.

* Assim como no corpo humano cada membro tem sua função a realizar: os olhos = ver, o ouvido = ouvir, as mãos = apanhar, o coração = impulsionar o sangue.
* Qual minha função no Corpo Místico de Cristo?
A nossa condição de membros do Corpo Místico de Cristo nos estimula a trabalhar ativamente com Cristo na obra de Redenção.
Devemos sentir zelo pelas almas.
Em união com o Corpo Místico de Cristo: Padres, Religiosos, leigos batizados cumpriremos nossa missão e vocação.
“Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco, e é preciso que eu as traga. Elas ouvirão minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor” (Jo 10,16)
“Pai Santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, como nós somos um” (Jo 17,11)
  
União na Eucaristia
* A união com Cristo na Sagrada Comunhão é o laço de caridade que nos faz um só com o próximo.
* Não podemos experimentar um crescimento no amor a Deus, sem experimentar ao mesmo tempo um crescimento no amor ao próximo.
* E o fruto de nossas comunhões torna-se suspeito se continuamos a manter preconceitos de nação ou raça, se guardamos rancor ao próximo, se não vemos melhorar a nossa afeição, compaixão, paciência e compreensão para com os outros.

União no Matrimônio
* Define-se o matrimônio como um sacramento que estabelece uma santa e indissolúvel união entre um homem e uma mulher e lhes dá graças para se amarem um ao outro santamente e educarem Cristãmente os filhos.
* Deus, para assegurar o reto uso do poder procriador, fundou a instituição matrimonial: a união indissolúvel, por toda a vida, de um homem com uma mulher.
* É desígnio Divino que o homem e uma mulher se completem um ao outro, que se apoiem um no outro, que contribuam para o mutuo crescimento espiritual.
* Nessa união por toda a vida de um homem e uma mulher, tanto as suas mentes e corações como os seus corpos se fundem numa unidade nova e mais rica, cumprindo assim o fim estabelecido por Deus.

Direitos que a unidade nos cumula
* Todo Batizado que tiver tido um dia mau e estiver desanimado pela pressão de um problema sério, sentindo-se tentado a autocompadecer-se e a pensar que tudo é um erro, esse é o momento de recordar da unidade que existe entre todos os membros do Corpo Místico de Cristo.
* É o momento de recordar que tem absoluto direito a qualquer graça de que possa necessitar em qualquer situação; a qualquer graça de que possa necessitar para fortalecer a sua humana fraqueza e chegar à solução do problema.
* Ao Batizado que faz tudo o que está em suas mãos para que os seus atos sejam verdadeiramente Cristãos, Deus comprometeu-se a dar todas as graças de que necessitam e quando as necessitem, e Deus é fiel sempre fiel aos seus compromissos. LG11

- Da união no Corpo Místico de Cristo, que é a unidade da família de Deus, temos o direito de nos beneficiar de cada Missa celebrada, de cada oração que se faz em qualquer parte do mundo.

- Da união na Eucaristia, que é o antídoto da vida eterna; temos o direito de gozar, ainda nesta vida, da glória do céu!

- Da união no Matrimônio, que é uma santa e indissolúvel união entre o homem e a mulher, temos o direito de receber de Deus as graças atuais de que necessitamos HOJE para assegurar uma união feliz e frutuosa.

- Da união na oração, que é a elevação da mente e do coração a Deus; temos o dever de adorar, agradecer, pedir perdão e reparar e o direito de pedir as graças e os fatores de que necessitamos para nós e para os outros.


- É importante descobrir que: QUEM NOS UNIU FOI DEUS, e que o fato de estarmos unidos e buscarmos o ‘conhecimento de Deus’, já realizamos a vontade d’Ele sendo um com ELE.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Ninho de Águia para nossos filhos

- Muitos dizem que não há manual de instruções para educação de crianças, mas há, sim, diretrizes que nos capacitam como pais para lidar com o dia a dia de nossos filhos.

- Certa vez quando estive em um Museu de História Natural, me atentei a perceber como é que a águia faz o ninho para seus filhos. Já estudo sobre a águia há anos, porque admiro suas atitudes e singularidade.

- Não é a toa que a águia está nos emblemas dos EUA como símbolo de força, coragem e poder. Se você ler a Bíblia perceberá que em vários momentos é citado que quando esperamos em Deus, Ele renovará nossas forças e nos dará “olhos e asas de águia”.

- É importante este comentário porque águias sempre enxergam além, sempre voam mais alto e mais longe, pois não se contentam em enxergar a vida em um ângulo raso.

- A águia tem muito a nos ensinar e só de perceber como elas lidam com a tempestade, já nos serve de grande lição nas condutas da vida.

- Observe primeiramente, a forma que constroem seus ninhos e que tem a ver com a educação de filhos:
Elas o fazem no mais alto dos penhascos e a sua estrutura em três camadas:
·         A primeira delas é de penas,onde extrai partes de seu próprio corpo para dar aconchego e proteção aos seus filhotes.
Conforme eles vão crescendo, a águia vai tirando pena a pena, uma a uma, até eles chegarem na segunda camada: os gravetos.
·         Perceba que neste momento, o corpinho dos filhotes não está mais sobre as penas gostosas e macias, mas passam a ter que lidar com a secura dos galhos onde os filhotes vão viver. Passado um tempo, a águia vai tirando um a um dos gravetos, até que os fazem entrar em contato com a terceira camada do ninho que são os espinhos.
·         Neste momento, os espinhos vão espetando e incomodando tanto, que os tiram da zona de conforto e isso os obriga a voar para descobrirem o mundo e explorar suas forças.

- Que grande manual temos em nossas mãos ao entendermos que ajudamos nossos filhos a crescerem quando “construímos ninhos de águia” para eles.

- Pais que deixam seus filhos sempre na primeira camada, ou seja, nas penas, não contribuem com o seu crescimento, pois os filhos nunca vão despertar para descobrir suas próprias habilidades porque não vão querer deixar o conforto e a proteção que as penas trazem.

- Quando os estimulamos contribuímos para enxergarem a vida com “olhos de águia” olhando sempre à frente e acima de toda e qualquer circunstância.

- Fazendo isso, os ajudamos a lidar com os momentos críticos da vida pois, se você observar, na hora de uma tempestade, todas as aves do céu se recolhem para procurar abrigo seguro, mas a águia vai além das nuvens onde a tempestade se forma e fica assistindo as rajadas de trovão e ventos contrários de forma que aquilo não lhe atinge.

- Nós, muitas vezes, nos primeiros sinais de perigo já estamos com medo, mas quem tem “olhos de águia” vai olhar sempre além.
- O ar de tranquilidade da águia diante do perigo parece zombar da tempestade, ao desafiar suas forças na emoção de atravessar as turbulentas correntes de ar, navegando por cima delas com graça e controle.

- Com os filhos e durante nossa vida, certamente passamos por tempestades que nos assustam mas, tal como escrito há anos, se confiarmos em Deus, nós voaremos como águias e enxergaremos como elas, porque veremos além das circunstâncias e nunca nos esqueceremos que por trás de grandes nuvens, lá está o sol, pronto para brilhar e mostrar a leveza e a delícia de um dia ensolarado e quente.

Karine Rizzardi, psicóloga em Cascavel (PR) especialista em casais, família e em aconselhamento familiar. Fez pós-graduação em Psicologia na Chicago University, em Chicago, nos Estados Unidos.

(Carta Mensal nº466, Equipe de Nossa Senhora)

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Dever de sentar-se

Dever ignorado
- Neste século de atividades desordenadas e de velocidades vertiginosas, há uma obrigação bastante desconhecida. E, no entanto, Cristo a menciona por duas vezes (Lc 14, 28-33): é o Dever de Sentar-se.
- Acredito não fazer um julgamento temerário ao afirmar que os melhores esposos cristãos, aqueles mesmo que nunca esquecem o dever de se ajoelhar, cometem muitas vezes o pecado de não se sentarem.
- Antes de empreenderdes a construção do vosso lar, confrontastes sem dúvida os vossos pontos de vista, pesastes os vossos recursos materiais e espirituais, elaborastes um plano, mas, depois que vos entregastes ao trabalho, não houve da vossa parte negligência em vos sentardes juntos a examinar a tarefa já realizada, reencontrar o ideal entrevisto, consultar o Mestre da obra?
- Sei das objeções e dificuldades, mas sei também que a casa desmorona um dia se não tivermos vigiando a sua estrutura (Mt 7, 24-27).
- No lar que não encontra tempo para uma pausa destinada a reflexão, frequentemente:
·         a desordem material e moral se introduz insidiosamente;
·         a rotina se apodera da oração comum, das refeições e de todos os ritos familiares;
·         a educação fica reduzida a reflexos de pais mais ou menos nervosos;
·         a união conjugal fica abalada.
- Estas deficiências e muitas outras se observam, não só nos casais sem formação, naqueles que ignoram os problemas da educação e da espiritualidade familiar, mas muitas vezes naqueles mesmos que são considerados como competências em ciências familiares e o são na realidade... teoricamente.
- Por não tomarem a distância necessária a uma boa visão, os esposos não veem mais o que qualquer visita percebe logo ao transpor o limiar da casa; o desleixo que faz objeto da conversa dos amigos, por vezes desolados, mas evitando falar aos interessados muitas vezes incapazes de compreensão ou simplesmente susceptíveis.
- Houve casais que compreenderam o perigo, encararam e adotaram vários meios para combatê-lo. Um deles dizia-me recentemente, depois de fazer a experiência, quanto é útil para os esposos, abandonarem todos os anos os filhos e irem juntos repousar ou fazer uma viagem de uma ou duas semanas.
- Mas, pensareis talvez ao ler-me, não é dado a todo mundo ter a disposição pessoal, amigos ou parentes a quem se possam confiar assim as crianças. Há, entretanto, outras soluções.
- Três famílias se associaram para as férias, foram para o mesmo lugar: cada casal pôde ausentar-se durante uma semana, deixando aos outros dois o cuidado dos filhos.

- Para evitar o perigo da rotina no lar, há outro recurso a respeito do qual quero vos entreter um pouco mais longamente:
·         Tomai a vossa ‘agenda’ e assim como nela seria inscrito eventualmente um compromisso qualquer, seja um concerto ou uma visita a amigos, anotai um encontro convosco mesmo; e fique bem estipulado que estas duas ou três horas são sagradas, e que por nada neste mundo vos faria suprimir esse ‘encontro’, como não suprimiriam um espetáculo na cidade ou um jantar de amigos.

Como utilizar estas horas?
·         Em primeiro lugar, ireis tomar a decisão de que não estais com pressa, uma vez que não é costume.
·         Mudai de ambiente; é preciso a qualquer preço modificar o quadro habitual e esquecer as preocupações.
·         Leiam, juntos, um capitulo bem escolhido de um livro propositalmente posto em reserva para esta hora privilegiada (pode ser a Bíblia, a Imitação de Cristo... ou qualquer leitura espiritual de sua predileção).
·         Fazei longamente uma oração: que cada qual faça, quanto possível, em voz alta, uma oração pessoal e espontânea; esta forma de oração, sem condenar as outras, aproxima milagrosamente os corações.
·         Penetrando assim na paz do Senhor, comunicai-vos um ao outro aqueles pensamentos, aquelas queixas, aquelas confidências que não é fácil nem recomendável fazer no decurso das jornadas, ativas e ruidosas e que, no entanto, seria perigoso fechar no segredo do coração, pois que, bem o sabeis, há ‘silenciosos inimigos do amor’.
·         Não vos detenhais somente sobre vós mesmos, nem sobre as preocupações atuais, mas fazei uma excursão às fontes de vosso amor, reconsiderando o ideal vislumbrado então, na época em que juntos e com passo decidido empreendestes a marcha pela estrada.
·         ‘Renovai o vosso fervor e o sentimento de vossas almas’(leia Efésios 4, 22-32): É preciso crer naquilo que fazemos e fazê-lo com entusiasmo.
·         Voltai para o presente, confrontai ideal e realidade, fazei o exame de consciência de vossa própria família (não o vosso exame de consciência pessoal) e tomai as resoluções práticas e oportunas para curar, consolidar, rejuvenescer, arejar, abrir o vosso lar. Empregai neste exame lucidez e sinceridade; remontai às causas do mal diagnosticado.
·         Meditar alguns instantes sobre cada um de vossos filhos, pedindo ao Senhor que ponha ‘suas próprias vistas dentro de vosso coração’ segundo a sua promessa, a fim de que possais vê-los e amá-los como Ele próprio, a fim de conduzi-los segundo as suas vistas.
·         Finalmente, perguntai a vós mesmos se Deus é o primeiro servido em vosso lar.
·         Se sobrar tempo, fazei aquilo que bem entenderdes, mas eu vos suplico, não retorneis às banalidades a rádio ou TV.

Não tendes mais nada a dizer?
·         Calai-vos juntos, este momento também é de grande proveito.
·         Será de grande importância fazer por escrito um pequeno relatório daquilo que tiver sido descoberto, estudado, decidido, no decorrer do encontro, mas isto poderá ser feito depois, por um dos dois e será lido por ambos, juntos, no próximo encontro.

- O que faz objeto destas minhas palavras, nada mais é do que um meio de conservar jovem e vivo o vosso amor e o vosso lar; há seguramente muitos outros.
- Adotado por numerosos casais que eu conheço, já deu provas de sua eficiência.

Padre Henri Caffarel-Fundador das Equipes de Nossa Senhora (L’Anneau d’Or nº 5/Novembro 1945)

terça-feira, 29 de outubro de 2013

As Famílias que se Consagraram a Mim


As Famílias que se Consagraram a Mim

San Quirino | Itália.

- Como me sinto consolada por este dia transcorrido em oração,

em simples e cordial fraternidade,

com esta família que se Consagrou a Mim e que Me pertence.

- Quero agora dirigir-vos Minha Palavra Consoladora,

que seja de conforto para vós entre as dificuldades cotidianas da vossa existência.

- Eu vos amo,

estou presente no meio de vós,

falo-vos e conduzo-vos,

porque sois os instrumentos da Minha Vontade Materna.

- Eu olho com amor as Famílias que se Consagraram a Mim.

- Nestes tempos,

Eu reúno as Famílias e as introduzo nas profundezas de Meu Coração Imaculado,

para que possam encontrar Refúgio e Segurança, Conforto e Defesa.

- Como amo ser invocada como

Mãe e Rainha dos Meus Sacerdotes,

também amo ser invocada como

Mãe e Rainha das Famílias que se Consagraram a Mim.

Eu sou a Mãe e Rainha das Famílias

- Eu sou a Mãe e Rainha das Famílias.

- Vigio sobre sua vida,

coloco no Meu Coração os seus problemas,

interesso-me, não apenas pelo seu bem espiritual,

mas também pelo bem material de todos os seus membros.

- Quando Consagrais uma Família ao Meu Coração Imaculado,

é como se abrísseis a porta de casa à vossa Mãe do Céu e

a convidásseis a entrar e

lhe désseis espaço para Ela poder exercer sua função materna

de maneira sempre mais acentuada.

- Eis porque quero que todas as Famílias Cristãs

se Consagrem ao meu Coração Imaculado.

- Peço que Me abrais as portas de todas as casas,

para que Eu possa entrar e estabelecer Morada Materna no meio de vós.

- Então,

Eu entro como vossa Mãe,

fico morando convosco e

participo de toda a vossa vida.

Cuido da vossa Vida Espiritual

- Em primeiro lugar cuido da vossa Vida Espiritual:

- Procuro levar as almas dos membros da Família

a viverem constantemente na Graça de Deus.

- Onde Eu entro, o Pecado sai;

onde Eu permaneço, estão sempre presentes a Graça e a Luz Divina;

onde Eu habito, habitam Comigo a Pureza e Santidade.

- Eis porque a Minha Primeira Função Materna:

é a de fazer com que os membros de uma Família vivam em Estado de Graça,

é fazê-los crescer na Vida de Santidade,

por meio da prática de todas as Virtudes Cristãs.

- E, visto que o Sacramento do Matrimônio

vos concede a Graça Particular de fazer-vos crescer juntos,

Minha Tarefa é a de Cimentar, profundamente, a União de uma Família;

levar Marido e Mulher a viverem em Comunhão Espiritual sempre mais profunda,

a aperfeiçoarem o seu Amor Humano,

torná-lo mais perfeito,

introduzi-lo no Coração de Jesus,

para que possa assumir nova forma de maior perfeição,

cuja expressão é a Caridade Pura e Sobrenatural.

- Eu reforço sempre mais a União nas Famílias,

levo-as a uma maior compreensão recíproca,

faço sentir as novas exigências de uma Comunhão mais delicada e profunda.

- Conduzo seus membros pelo Caminho da Santidade e da Alegria,

Caminho que eles devem construir e percorrer juntos,

para que possam chegar a perfeição do amor e, assim, gozar do precioso Dom da Paz.

- Eis como Eu Formo as almas dos Meus filhos

e através do Caminho da Família,

conduzo-as ao vértice da Santidade.

- Quero entrar nas Famílias

para vos Santificar,

para vos Conduzir a Perfeição do Amor,

para Permanecer Convosco,

para tornar vossa União Familiar mais fecunda e forte.

Cuido do bem material das Famílias que se Consagram a Mim

- Depois cuido também do bem material das Famílias que se Consagram a Mim:

- O bem mais precioso de uma Família são os filhos.

- Os Filhos são sinal de uma particular predileção de Jesus e Minha.

- Os Filhos devem ser

desejados,

acolhidos,

cultivados como as Pérolas Mais Preciosas da Propriedade Familiar.

- Quando entro numa Família,

Eu logo tomo conta dos Filhos,

eles se tornam também Meus.

- Tomo-os pelas mão,

levo-os a percorrerem o Caminho da Realização do Desígnio de Deus,

que foi claramente delineado sobre cada um desde a eternidade;

amo-os;

nunca os abandono;

tornam-se parte preciosa da Minha Propriedade Materna.

Cuido particularmente do vosso Trabalho

- Cuido particularmente do vosso Trabalho:

- Eu nunca vos deixo faltar a Providência Divina.

- Tomo as vossas mãos e as abro ao Desígnio que o Senhor realiza,

cada dia,

por meio da vossa Colaboração Humana.

- Assim como a Minha Humilde, Fiel e Cotidiana Ação Materna,

na pequena e pobre Casa de Nazaré,

possibilitava o cumprimento do Desígnio do Pai,

que se realizava no Crescimento Humano do Filho,

chamado a realizar a Obra da Redenção para a vossa Salvação.

- Assim também Eu vos chamo a colaborar com o Desígnio do Pai,

que se realiza com a vossa Participação Humana e

mediante o vosso Trabalho Cotidiano.

A vossa ação deve harmonizar-se com a da Divina Providência

- Vós deveis realizar vossa parte,

como o Pai do Céu realiza a Sua.

- A vossa ação deve harmonizar-se com a da Divina Providência,

a fim de que o Trabalho possa produzir o fruto daqueles bens

que são úteis ao sustento da vossa vida,

ao enriquecimento da própria família,

para que seus membros possam gozar sempre de bem-estar Espiritual e Material.

- Depois,

ajudo-vos a realizar o Desígnio da Vontade de Deus.

- Assim,

torno o trabalho espiritualmente mais fecundo,

porque faço com que se transforme em fonte de merecimentos para vós

e ocasião de salvação para muitos de Meus pobres filhos perdidos.

- Então, em vós,

a Ação se une ao Amor,

o Trabalho a Oração,

a Fadiga a Sede Ardente de uma Caridade cada vez maior.

- Deste modo,

com a vossa Colaboração à Vontade do Pai,

compondes a obra prima de uma Providência que,

por vosso intermédio,

se torna concreta e cotidiana.

- Não temais:

onde Eu entro,

Comigo está a segurança.

- Nunca vos faltará nada.

- Eu Aperfeiçoo a vossa atividade;

Eu Purifico o vosso próprio trabalho.

Eu participo de todas as vossas preocupações

- Eu participo igualmente de todas as vossas preocupações:

- Sei quão numerosas são hoje as preocupações de uma família.

- São vossas e tornam-se Minhas.

- Tomo parte convosco dos vossos Sofrimentos.

- Por esta razão,

nos Tempos tão difíceis da atual Purificação,

Eu estou presente nas famílias que se Consagraram a Mim,

como Mãe Preocupada e Dolorosa

que participa realmente de todo o vosso Sofrimento.

- Consolai-vos, portanto.

Estes são os Meus Tempos

- Estes são os Meus Tempos:

“Estes”, isto é,

os dias que estais vivendo,

são “Meus”,

porque são Tempos Assinalados por Grande e Forte Presença Minha.

- Estes Tempos se tornarão ainda mais Meus,

na medida em que Minha Vitória

se ampliar e

se tornar mais forte que a Vitória que agora pertence ao Meu Adversário.

- Esta Minha Presença

se tornará tão forte e extraordinária,

sobretudo nas Famílias Consagradas ao Meu Coração Imaculado.

- Será uma presença notada por todos e

se tornará para vós fonte de particular consolação.

Prossegui e Progredi sempre mais

- Prossegui, então, a vossa caminhada:

com Confiança,

na Esperança,

no Silêncio,

no vosso Trabalho de cada dia,

na Oração e

na Humildade.

- Progredi sempre mais

na Pureza e

na Reta Intenção;

avançai Comigo no difícil Caminho

da Paz do coração e

da Paz nas vossas Famílias.

- Se todos caminhardes pela estrada que vos tracei,

se ouvirdes e praticardes quanto hoje vos disse,

as vossas Famílias serão os primeiros Rebentos do Meu Triunfo:

Rebentos Pequenos,

Escondidos,

Silenciosos,

que já despontam no mundo inteiro,

quase a antecipar

a Nova Era e

os Novos Tempos,

que já estão às portas.

- A todos encorajo e abençoo.

MSM-Movimento Sacerdotal Mariano / Padre Stefano Gobbi / 23.07.87

Clique aqui e veja também:

Mãe do Segundo Advento

Fim dos Tempos 1º

Fiéis, prontos e Obedientes

Consagração a Jesus Cristo por Maria

Renovação dos Votos do Batismo

 “Senhor, que vosso Amor, 

Sofrimento e Sangue derramado,

não tenha sido em vão pelas nossas almas e

pelas almas dos Vossos Sacerdotes, 

Filhos Prediletos de Nossa Senhora.”

“Senhor, sou teu servo, filho de Tua Serva.”