quinta-feira, 22 de outubro de 2020

O Filho e a Mãe

 


O Filho e a Mãe

- Vivei hoje ao meu lado, vossa Mãe Dolorosa, as horas dolorosas da Paixão e da Morte do Meu Filho Jesus.

- Entrai no intimo do Seu Coração Divino, para participar da intensidade de todo o Seu sofrimento.

- Durante o julgamento do tribunal religioso, onde Jesus é vilipendiado, maltratado e, por fim, condenado, por ter testemunhado a verdade e Se ter proclamado Filho de Deus.

- Durante o processo padecido perante o tribunal civil, onde depois de ter sido reconhecido inocente de todas as acusações que Lhe tinham sido feitas, é submetido ao terrível castigo da flagelação e da coroação de espinhos e, no final, é condenado a morte de Cruz.

- É assim que hoje Eu encontro o Meu Filho:

como um manso cordeiro conduzido ao matadouro, sem uma palavra de rancor, sem um lamento, oprimido sob o peso da Cruz que o Pai Celeste Lhe dá, enquanto sobe o Calvário.

- O Seu rosto já não tem aparência de homem, tão desfigurado está pelo sangue e pelos golpes;

o Seu corpo está todo reduzido pela flagelação a uma chaga vive, da qual saem rios de sangue.

- As forças já não O sustentam mais e Ele vacila;

a febre O consome, a vida se Lhe escapa, cai sob o peso do Seu patíbulo;

está ali, estendido por terra, esmagado como um verme e já não é capaz de Se levantar.

- É neste momento que o Pai Celeste Lhe dá o conforto de Sua Mãe.

- A partir deste momento vivemos juntos, o mistério da Sua Paixão Redentora.

- O Filho e a Mãe.

- Juntos percorremos a última parte deste terrível percurso.

- Ele, com o peso infinito do Seu padecer, que O esmaga;

Eu com a espada dolorosa, que transpassa o Meu Coração Imaculado e o fere, fazendo-o sangrar.

- O Filho e a Mãe juntos em direção ao Calvário, carregando a Cruz de uma mesma dor.

- As Gotas de Sangue que escorrem da Sua cabeça unem-se as lágrimas copiosas que brotam dos meus olhos maternos.

- A Coroa de Espinhos que cinge a Sua cabeça forma uma espada cortante que transpassa o Meu Coração.

- O Seu Corpo chagado é o espelho da Minha alma transpassada e dilacerada.

- O Filho e a Mãe.

- Juntos chegamos ao cume do Gólgota;

juntos somos suspensos no patíbulo;

juntos somos transpassados pelos cravos;

juntos vivemos as horas dolorosas da agonia;

juntos ouvimos os gritos maldosos daqueles que O insultam e blasfemam contra Ele;

juntos perdoamos os algozes;

juntos rezamos e amamos;

juntos sentimos o abandono do Pai;

juntos confiamos e a Ele nos entregamos;

juntos finalmente morremos.

- Jesus morre no corpo;

Eu, a Sua Mãe, no coração.

- Milagrosamente, permaneço ainda viva porque, como Mãe, devo ajudar o Meu Filho a morrer.

- Agora compreendeis o profundo significado do Seu último Dom:

“Eis ai a tua Mãe”

- Sou Mãe para Ele e para vós.

- O Filho e a Mãe.

- Os filhos e a Mãe.

- Aqui, aos pés da Cruz, estou ainda viva, milagrosamente, porque, como Mãe, devo ajudar todos vós a nascer e a viver Nele e para Ele.

- De hoje em diante, todos os homens redimidos por Jesus são também meus filhos.

- Sou a Mãe dos homens de todos os tempos, até o fim dos tempos, quando Jesus voltar na glória e então a minha maternidade espiritual se tiver finalmente cumprido.

MSM-Movimento Sacerdotal Mariano / Padre Stéfano Gobbi / 13.04.90

Clique aqui e veja também:

Anúncio dos três Anjos

O Amor não é amado

Infância do Padre Michel Rodrigue

“Senhor, que vosso Amor, Sofrimento e Sangue derramado,

não tenha sido em vão pelas nossas almas e

pelas almas dos Vossos Sacerdotes, Filhos Prediletos de Nossa Senhora.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário