Mostrando postagens com marcador Perseverança. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Perseverança. Mostrar todas as postagens

domingo, 1 de janeiro de 2017

Felicidade dos santos


Felicidade dos santos
- O homem justo, ao encerrar sua vida terrena no amor, já não poderá progredir na virtude.
 Para sempre continuará a amar no grau de caridade que atingiu ao chegar até mim.
- Também será julgado na proporção do amor.
- Continuamente ME DESEJA, continuamente me possui; sua aspirações não caem no vazio.
- Ao DESEJAR, será saciado; ao saciar-se, sentirá ainda fome; distanciando-se, assim, do fastio da saciedade e do sofrimento da fome.

- Os bem aventurados gozam da minha eterna visão. Cada um no seu grau, de acordo com a caridade em que vieram participar de tudo o que possuo.
- Por terem vivido no meu amor e no amor dos homens; por terem praticado a caridade em geral e em particular, qual fruto de um único amor desfrutam -na alegria e gozo- dos bens pessoais e comuns que mereceram.
- Colocados entre os anjos e santos, com eles se rejubilam na proporção do bem praticado na terra.
- Entre si congraçados na caridade, os bem aventurados de modo especial comunicam-se com aqueles que amaram no mundo. Realizam-no, naquele mesmo amor que os fez crescer na graça e nas virtudes. Na terra, ajudavam-se uns aos outros, a glorificar-me, a louvar-me em si mesmo e nos outros; tal amor continua na eternidade. Conservam-no, partilham-no profundamente entre si; com maior intensidade até, associando-se a felicidade geral.
- Não penses que a felicidade celeste seja apenas individual. Não! Ela é participada por todos os cidadãos da pátria, homens e anjos.
- Quando chega alguém a vida eterna, todos sentem sua felicidade, da mesma forma como ele participa do prazer de todos. Não no sentido que os bem aventurados progridam ou se enriqueçam, pois todos são perfeitos e não precisam de acréscimos.
- É uma felicidade, um prazer, um júbilo, uma alegria que se renova interiormente, ao tomarem eles conhecimento da riqueza espiritual do recém chegado. Todos compreendem que ele foi elevado da terra a plenitude da graça por minha misericórdia; naquele que chegou todos se alegram, gratos pelos dons por mim recebidos. O novo eleito, igualmente, sente-se feliz em mim e nos bem aventurados, neles contemplando a doçura do meu amor.
- Em seus anseios, os eleitos clamam continuamente diante de mim em favor do mundo inteiro.
- Suas vidas haviam terminado no amor fraterno; continuam no mesmo amor. Aliás, foi exatamente por tal caridade que passaram pela porta, que é Meu Filho Jesus Cristo.

- Os bem aventurados continuam no céu, eternamente, naquele mesmo amor com que encerraram a vida terrena.
- Conformam-se inteiramente a minha vontade, SÓ DESEJAM O QUE EU DESEJO. Chegando ao momento da morte em estado de graça, seu livre arbítrio fixa-se no amor e eles não pecam mais. Suas vontades identificam-se com a minha. Se um pai, uma mãe veem ou, em sentido contrário, se um filho vê os pais no inferno, não se perturbam. Até se alegram por ver tal pessoa punida, como se fosse inimigo seu.

- Os bem aventurados em nada se distanciam de mim. SEUS DESEJOS estão saciados.
- Anseiam em ver-me glorificado por vós, viandantes e peregrinos que sois em direção a morte.
- Aspirando por minha honra, querem vossa salvação e sempre rogam por vós.
- De minha parte, escuto seus pedidos naquilo em que vós, por maldade, não opondes resistência a minha bondade.

- Os bem aventurados DESEJAM recuperar seus corpos; toda via não sofrem por sua ausência. Até se alegram, na certeza de que tal aspiração será realizada.
- A ausência do corpo não lhes diminui o prazer, não é angustiante, não faz sofrer.
- Nem julgues que a satisfação de ter o corpo após a ressurreição lhes traga maior bem aventurança. Se isso fosse verdade, seria sinal de que a felicidade anterior era imperfeita enquanto não o recuperassem, e isto não pode ser.
- De fato, nenhuma perfeição lhes falta:
Não é o corpo que faz feliz a alma, mas o contrário.

- Quando esta recupera o corpo no dia do Juízo, participará ele da plenitude e da perfeição da alma. Naquele dia, esta se fixará para sempre em mim, e o corpo -em tal união- ficará imortal, sutil, leve.
- Deves saber que o corpo ressuscitado pode atravessar uma parede, que o fogo e a água não o ofendem. Tal propriedade lhe advém, não de uma virtude própria, mas por uma força que gratuitamente concedo a alma, que foi criada a minha imagem e semelhança num inefável ato de amor.

- Tua inteligência não dispõe da capacidade necessária para entender, nem teus ouvidos para escutar, a língua para narrar e o coração para sentir qual a felicidade dos santos.
- Que prazer sentem na minha visão, que satisfação ao recuperar o corpo glorificado! Até o Juízo final não o possuem, mas sem sofrimento; suas almas já são perfeitas e o corpo apenas virá a participar dessa plenitude.

- Estava Eu falando da perfeição que o corpo ressuscitado receberá da humanidade glorificada de Jesus, a qual vos dá a certeza da ressurreição! No seu corpo brilham as chagas, sempre vivas; conservam-se as cicatrizes a implorar continuamente perdão para vós a mim, Pai eterno.
- Os bem aventurados assemelhar-se-ão a Cristo na alegria e no prazer: os olhos dos santos serão como os do Ressuscitado, as mãos como suas mãos, todo o corpo igual ao seu. Unidos a mim, estarão unidos a Ele, que é uma só coisa comigo.

- Serão felizes vossos olhos ao ver o corpo ressuscitado do meu filho. Por que? Porque a vida dos santos, ao encerrar-se no amor, não muda mais; como não podem praticar um bem ulterior, gozam daquilo que trouxeram. Já não fazendo obras meritórias -somente nesta vida é possível merecer ou pecar, segundo o livre parecer da VONTADE- aguardam o Juízo final sem temor.
- Mas também com alegria. Desse modo, a face de Cristo não lhe será um rosto severo e irado. Morreram no meu amor e no amor do próximo.

- Quando Cristo vier julgar com majestade divina, não o verão com severidade; tal acontecerá com os que serão condenados. Estes verão o Ressuscitado com rosto severo e justo. Para os santos sua face mostrar-se-á amorosa e cheia de misericórdia.


O Diálogo-Santa Catarina de Sena, 14.4

terça-feira, 11 de março de 2014

Maria, fôrma de Deus

Comunicação da Alma e do Espírito de Maria
§217. A alma da Santíssima Virgem comunicar-se-á a ti para glorificar o Senhor, o seu espírito ocupará o lugar do teu para se regozijar no Senhor, seu Salvador, contanto que te tornes fiel às práticas desta Devoção. É o que exclamava Santo Ambrósio:
“Que a alma de Maria esteja em cada um para glorificar o Senhor; que o espírito de Maria esteja em cada um para se alegrar em Deus” (Lc 1, 46-55).
Ah! Quando virá esse feliz tempo - diz um santo homem dos nossos dias, todo perdido em Maria - Ah! Quando chegará esse feliz tempo em que Maria Santíssima será constituída Senhora e Soberana dos corações, para os submeter plenamente ao Império do seu Grande e Único Amor, Jesus?! Quando é que as almas respirarão Maria como os corpos respiram o ar?! 
- Acontecerão então coisas maravilhosas neste pobre mundo. Porque o Espírito Santo, encontrando a sua amada Esposa reproduzida nas almas, descerá abundantemente sobre elas, plenificando-as de Seus dons, particularmente do dom da sabedoria, para nelas operar maravilhas de graça. Meu querido irmão, quando virá esse tempo feliz, esse século de Maria, em que muitas almas escolhidas e obtidas do Altíssimo por Maria, perdendo-se a si mesmas no abismo do interior d'Ela, se tornarão cópias vivas de Maria, para amar e glorificar a Jesus Cristo? Esse tempo só virá quando a Devoção que ensino for conhecida e praticada: “Para que venha o Vosso Reino, ó Jesus, venha o Reino de Maria!

Transformação das almas em Maria à imagem de Jesus Cristo
§218. Se a árvore da vida, que é Maria, for bem cultivada na nossa alma, pela fidelidade às práticas desta Devoção, dará fruto a seu tempo, e o seu fruto não é outro senão Jesus Cristo.
- Vejo tantas almas piedosas que buscam Jesus Cristo, umas por uma via e uma prática, outras por outra. E, frequentemente, depois de terem trabalhado muito durante a noite, podem dizer: “Embora tenhamos trabalhado durante toda a noite, não apanhamos nada” (Lc 5, 5). E nós poderíamos dizer-lhes: Trabalhastes muito e lucrastes pouco: Jesus Cristo é ainda muito fraco em vós! Mas, no caminho imaculado de Maria e nesta divina prática que ensino, trabalha-se de dia, trabalha-se num lugar santo e trabalha-se pouco. - Em Maria não há noite, porque Ela não teve nem a menor sombra do pecado. Maria é um Lugar Santo, o Santo dos Santos, onde os santos são formados e moldados.

§219. Peço-te que notes o que disse: os santos são moldados em Maria. Há grande diferença em fazer uma figura em relevo a golpes de martelo e de cinzel, e fazer uma figura lançando-a numa fôrma. Os escultores e estatuários trabalham muito para fazer imagens do primeiro modo, e precisam de muito tempo. Mas, a fazer imagens da segunda maneira, trabalha-se pouco e fazem-se rapidamente. Santo Agostinho chama a Santíssima Virgem “Fôrma de Deus”, Fôrma própria para formar e moldar deuses: “Sois digna de ser chamada Fôrma de Deus”. Aquele que é lançado nesta Fôrma Divina depressa é formado e moldado em Jesus Cristo e Jesus Cristo nele. Facilmente e em pouco tempo será transformado em Deus, divinizado, pois é lançado no próprio molde que formou um Deus.

§220. Parece-me que posso muito bem comparar os diretores espirituais e as pessoas devotas, que querem formar Jesus Cristo em si ou nos outros por meio de práticas diferentes desta Devoção, a escultores, que confiando no seu engenho, diligência e arte dão uma infinidade de golpes de martelo e cinzel na pedra dura ou num pedaço de madeira mal polida, para dela fazerem uma imagem de Jesus Cristo. E às vezes não conseguem representar Jesus Cristo ao vivo, quer por falta de conhecimento e experiência da pessoa de Jesus, quer por causa de um golpe mal dado, que estragou a obra. Mas, quanto aos que abraçam este segredo de graça que lhes apresento, comparo-os, com razão, a fundidores e moldadores que acharam a Fôrma tão bela de Maria, na qual Jesus Cristo foi natural e divinamente formado. Não confiando na sua própria habilidade, mas unicamente na excelência da Fôrma, lançam-se e perdem-se em Maria, para se tornarem o retrato vivo de Jesus Cristo.

§221. Ó bela e verdadeira comparação! Mas quem a compreenderá?
- Desejo que sejas tu, meu querido irmão. Mas lembra-te que só se lança na fôrma o que está fundido e líquido. Isto quer dizer que deves destruir e fundir em ti o velho Adão, para que em Maria te transformes no novo.

A Maior Glória de Jesus Cristo
§222. Por esta prática, fielmente observada, darás mais glória a Jesus Cristo em um só mês, do que por qualquer outra, embora mais difícil, em muitos anos. Eis aqui as razões do que afirmo:
1º. Porque fazendo as tuas ações pela Santíssima Virgem Maria, como esta prática ensina, renuncias às tuas próprias intenções e operações, embora boas e conhecidas, para, por assim dizer, te perderes nas intenções e operações da Santíssima Virgem Maria, muito embora te sejam desconhecidas.
- Deste modo entras na participação da sublimidade das suas intenções. A pureza destas foi tanta que Ela glorificou mais Deus pela mínima das suas obras, do que São Lourenço pelo cruel martírio que sofreu na grelha, e mesmo do que todos os santos pelas suas mais heroicas ações. E assim, durante a sua permanência na Terra, Maria adquiriu uma plenitude indizível de graças e méritos. Seria mais fácil contar as estrelas do Céu, as gotas de água do mar e os grãos de areia das praias do que os Seus méritos e graças. Ela deu mais glória a Deus do que todos os anjos e santos lhe deram ou jamais darão.
Oh! Que prodígio sois, Maria! Só Vós podeis realizar os prodígios de graça nas almas que querem docilmente abismar-se em Vós.

§223. 2º. Porque esta prática faz com que uma alma considere tudo aquilo que pensa ou faz por si mesma como sendo um nada. Apoia-se e compraz-se apenas nas disposições de Maria, para se aproximar de Jesus e até para lhe falar. Assim mostra muito mais humildade do que as almas que agem por si mesmas e se apoiam e deleitam, imperceptivelmente, nas suas próprias disposições. Essa alma dá muito mais glória a Deus, que só é glorificado perfeitamente pelos humildes e pequenos de coração.

§224. 3º. Porque a Santíssima Virgem digna-se receber, por grande caridade, a oferta das nossas ações em suas mãos virginais, e dá-lhes assim uma beleza e um brilho admiráveis. É Ela própria que as oferece a Jesus Cristo, e não há dúvida de que Nosso Senhor é assim mais glorificado do que se lhas oferecêssemos nós mesmos com as nossas mãos criminosas.

§225. 4º. Finalmente, porque nunca pensas em Maria sem que Maria, em teu lugar, pense em Deus; e nunca louvas Maria sem que Ela contigo louve e honre a Deus. Maria só a Deus se refere, e bem lhe poderíamos chamar de a relação de Deus, que só existe em referência a Ele, ou o eco de Deus, porque Ela só diz e repete: “Deus”.
- Quando dizes Maria, Ela diz Deus. Santa Isabel louvou-a e proclamou-a bem-aventurada porque tinha acreditado; Maria, o eco fiel de Deus, cantou: “A minha alma glorifica o Senhor” (Lc 1, 46).
- O que Maria fez nessa ocasião, renova-o todos os dias. Quando a louvamos, amamos e honramos, ou lhe damos alguma coisa, é a Deus que louvamos, amamos e honramos, é a Deus que damos por Maria e em Maria.
Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem Maria / São Luis Maria Grignion de Monfort

quarta-feira, 5 de março de 2014

Meditação

Sequencia da postagem “Ser de Deus”
A meditação
            18. O terceiro meio para se tornar santo é a meditação.
- João Gerson diz: que quem não medita as verdades eternas não pode, a não ser por milagre, viver como cristão. A razão é que, sem meditação, não há luz e se caminha na escuridão. As verdades de fé não se enxergam com os olhos do corpo, mas com os olhos d alma, quando nosso espírito as medita. Quem não faz meditação sobre as verdades eternas, não pode vê-las e por isso ando no escuro, facilmente se apega as coisas sensíveis e por causa delas despreza os bens eternos.
- S.Tereza: “Embora pareça que não há imperfeições em nós, descobrimos grande numero delas, quando Deus faz ver o nosso intimo, o que ele costuma fazer na meditação”.
- S.Bernardo: Quem não medita, não julga com severidade a si mesmo, porque não se conhece. A oração controla nossos afetos e dirige nossos atos para Deus; mas sem oração, os afetos de nossa alma se apegam a terra, nossas ações acompanham os afetos e assim tudo acaba em desordem.

            19. É impressionante o que se lê na vida da venerável irmã Maria Crucifixa. Quando rezava, como que ouviu um demônio gloriar-se de ter feito uma religiosa deixar a meditação. Em espírito viu que, após essa falta, o demônio tentava a religiosa a cometer uma falta grave e ela já estava para consentir. Correndo depressa, chamou-lhe atenção e livrou-a da queda.
- S.Tereza: Quem deixa a meditação, em pouco tempo se torna um animal ou um demônio.

            20. Quem abandona a meditação, portanto, deixará de amar a Jesus Cristo. A meditação é a fornalha onde se acende e se conserva o fogo do amor a Deus.
- S.Catarina Bolonha: Quem não medita muito fica sem o laço de união com Deus. Nessa situação não será difícil para o demônio, encontrando a pessoa fria no amor de Deus, leva-la a se alimentar com uma fruta envenenada.
- S.Tereza: Quem persevera na meditação, mesmo que o demônio a tente de muitas maneiras tenho certeza que o Senhor a levará ao porto da salvação... Quem não para no caminho da meditação, chegará ainda que tarde.
- O demônio se esforça muito em afastar a pessoa da meditação porque
“ele sabe que as pessoas perseverantes na oração estão perdidas para ele”
- Quantos bens se conseguem na meditação! Dela nascem os bons pensamentos, manifestam-se nossos piedosos afetos, desenvolvem-se os grandes DESEJOS, tomam-se as resoluções firmes de se dar inteiramente a Deus. Dessa maneira, a pessoa lhe sacrifica os prazeres terrenos e todos os DESEJOS desordenados.
- S.Luis Gonzada: “Não existirá muita perfeição, se não existir muita meditação.” Reparem bem nesta frase as pessoas que amam a perfeição!

As consolações espirituais
            21. Não se deve rezar para sentir a consolação do amor de Deus. Quem reza com esta finalidade, perderá seu tempo ou tirará pouco proveito. Devemos rezar somente para agradar a Deus, isto é, para conhecer o que Deus quer de nós e lhe pedir sua ajuda para cumprir sua vontade.
“Carregar a cruz sem consolações faz a alma voar até a perfeição”
- A oração sem consolações sensíveis torna-se mais frutuosa para a alma. Pobre pessoa que deixa a oração só porque não sente gosto nela!
- S.Tereza: Quem deixa a oração, é como jogar-se no inferno por si mesmo, sem necessidade dos demônios.

            22. Nasce da oração a gente sempre pensar em Deus.
- S.Tereza: Quem ama de verdade, sempre se lembra da pessoa a quem ama. Esta é a causa porque as pessoas piedosas falam sempre de Deus, sabendo o quanto agrada a Deus falar d’Ele e de seu amor por nós. É também assim que procuram comunicar aos outros aquele mesmo amor que invade seus corações. “Nas conversas dos filhos de Deus sempre está presente Jesus Cristo, agradando-lhe muito que se alegrem nele”
            23. Da oração nasce ainda o DESEJO de conservar o recolhimento interior nas ocupações externas e necessárias. Disse ‘ocupações necessárias’, isto é, seja por causa da direção da família, seja por causa dos próprios deveres, ou dos trabalhos exigidos pela obediência. Mesmo assim, as pessoas de oração devem amar a solidão e não se dissipar em ocupações extravagantes e inúteis; do contrário perderão o espírito de recolhimento, este grande meio de manter a união com Deus: “És um jardim fechado, minha irmã, minha esposa”. Nossa alma, esposa de Jesus Cristo, deve ser um jardim fechado a todas as criaturas, não admitindo outros pensamentos e ocupações que não sejam de Deus ou para Deus. Os corações dissipados não se tornam santos.
- Os santos que se dedicam a conquistar pessoas para Deus, não perdem o recolhimento mesmo entre as canseiras da pregação, do ouvir confissões, do reconciliar os inimigos, do assistir os doentes. O mesmo acontece com aqueles que se dedicam ao estudo. Quantos estudam muito e se esforçam para se tornar sábios e acabam não se tornando nem sábios nem santos. A verdadeira sabedoria é a sabedoria dos santos: saber amar a Jesus Cristo. P amor de Deus traz consigo a ciência e todos os bens; “Com ela me vieram todos os bens” Sab7,11, isto é, com a caridade.
- S.João Berchmans tinha uma paixão extraordinária pelo estudo, mas, com sua virtude, não deixou que os estudos dificultassem o seu crescimento espiritual.
- S.Paulo: Digo a todos que estão entre vós, que não saibam mais do que convém saber, mas que saibam com sobriedade...” Rm 12,3 quem deixa a oração por causa do estudo não busca a Deus, mas a si mesmo. Quem procura a Deus, larga o estudo oportunamente para não deixar a oração.

Meditação e Oração
            24. O maior mal, além disso, é que sem meditação não se reza. Em outras obras espirituais já falei da necessidade de rezar, especialmente num livrinho a parte, intitulado: “O grande meio da oração” neste capitulo direi rapidamente mais alguma coisa.
- Bispo João Palafox: Como podemos conservar a caridade, se Deus não nos dá a perseverança?
·         Como o Senhor nos dará a perseverança, se não a pedimos?
·         Como a pediremos sem oração?
Sem oração não existe comunicação com Deus, para se manter a vida cristã. De fato, quem não faz meditação enxerga pouco as necessidades de sua alma, não conhece bem os perigos a que se expõe para se salvar, nem os meios que deve usar para vencer as tentações. Assim, conhecendo pouco a necessidade da oração, deixará de rezar e certamente se perderá.

            25. Quanto ao que meditar, não há assunto, mais útil do que as verdades da vida: a morte, o julgamento, o inferno e o céu.
- Devemos meditar especialmente na morte, imaginando estarmos para morrer numa cama, com o crucifixo nas mãos e próximos a entrar na eternidade. Mas, principalmente para quem ama a Jesus Cristo e DESEJA crescer no seu santo amor, não existe meditação mais útil do que a Paixão do Redentor. O calvário é a montanha das pessoas que amam. Quem ama a Jesus Cristo sempre faz sua meditação sobre esta montanha, onde não se respira outro ar senão o amor de Deus.
- Vendo um Deus que morre por nosso amor e porque nos ama –amou-nos e se entregou por nós- é impossível não o amar intensamente. Das chagas de Jesus Crucificado saem continuamente flechas de amor que ferem os corações mais duros. Feliz aquele que faz continuamente nesta vida a sua meditação sobre o monte Calvário! Montanha feliz, amável, querida, quem se afastará de ti? Desprendendo fogo, abrasas as pessoas qie moram permanentemente sobre ti!


A Prática de amor a Jesus Cristo Cap VIII– Santo Afonso Maria de Ligório

segunda-feira, 3 de março de 2014

Desejo de perfeição

Sequencia da postagem “Tibieza”
9. O primeiro meio para deixar a tibieza é o DESEJO de perfeição. – Os SANTOS DESEJOS são as asas que nos fazem voar da terra. Por um lado, eles nos dão força para caminhar na perfeição, por outro lado, eles nos aliviam os sofrimentos da caminhada.
- Quem DESEJA de verdade a perfeição nunca deixa de progredir nela e, se não ficar desanimado, vai consegui-la. Aquele, porém, que não a DESEJA, andará sempre para trás e se torna mais imperfeito do que no começo.
Na caminhada para Deus quem não avança, sempre retrocede arrastado pela correnteza de nossa natureza corrompida.

            10. É um grande erro dizer como alguns dizem: Deus não quer que todos sejam santos. “Esta é a vontade de Deus, a vossa santificação” Tess 4,3
- Deus quer todos santos , cada um no seu estado de vida: o religioso como religioso, o leigo como leigo, o sacerdote como sacerdote, o casado como casado, o negociante como negociante, o soldado com soldado, e assim em todos os estados de vida.
- S. Tereza: “Os nossos pensamentos sejam grandes, porque deles nascem nosso bem... É preciso não diminuir os nossos DESEJOS, mas confiar em Deus; esforçando-nos, chegaremos pouco a pouco até onde os santos chegaram com a graça de Deus”. Em confirmação, diz ela ter visto pessoas corajosas que em pouco tempo fizeram grande progresso espiritual: “Agradam ao Senhor tanto os DESEJOS como se já fossem realizações... Deus não concede muitas graças importantes, senão para quem muito DESEJOU o seu amor... Deus não deixa de pagar qualquer bom DESEJO nesta vida, pois, ele ama as almas generosas quando não confiam em si mesmas”
- S. Tereza tinha esse espírito generoso. Chegou uma vez, a dizer ao Senhor que pouco lhe importaria ver no céu pessoas gozando maior felicidade do que ela; mas ver pessoas que o amassem mais do que ela, não sabia como poderia suportar.

            11. É preciso ter coragem.
- S. Tereza: “O Senhor é bom para aqueles que o procuram”, é extremamente bom e aberto para com as pessoas que o buscam de coração. Se DESEJAMOS ser santos de verdade, nem os pecados cometidos podem nos impedir. “O demônio faz tudo para nos parecer um orgulho ter grandes DESEJOS e o querer imitar os santos; mas ajuda muito ter coragem para as coisas grandes. Mesmo que a alma não tenha logo a força, ele dá um voo generoso e avança muito.”
“Tudo concorre para o bem daqueles que amam a Deus” Rm 8,28
- Mesmo os pecados cometidos podem concorrer para a nossa santificação, na medida em que sua lembrança nos faz mais humildes, mais agradecidos as graças que Deus nos deu, depois de tantas ofensas.
- O pecador deve dizer: nada posso, nada mereço, a não ser o inferno. Mas sirvo a um Deus de bondade infinita e ele prometeu ouvir a todos que lhe pedem alguma coisa. Já que ele me livrou da condenação e quer que eu me torne um santo oferecendo-me sua ajuda, então posso me tornar um santo, não com minhas forças, mas com a graça de Deus que me sustenta:
“Tudo posso naquele que me conforta” Fil 4,13
- Tendo os bons DESEJOS, é preciso que tenhamos coragem e, confiantes em Deus, procuremos realizar esses DESEJOS. Encontrando depois alguma dificuldade na sua realização, permaneçamos na vontade de Deus. A vontade de Deus deve estar acima de todos os nossos DESEJOS.

Decisão de ser de Deus
12. O segundo meio para chegar a santificação é a decisão de dar-se a Deus. Chamados a perfeição, muitos sentem o DESEJO de obtê-la, movidos pela graça. Se depois, porém, não tomam a decisão, vivem e morrem no lodo de sua vida tíbia e imperfeita.
- Não basta só o DESEJO de ser santo, se não juntarmos a ele uma firme resolução de alcança-lo. Quantas pessoas se alimentam só de DESEJOS e nunca dão um passo nos caminhos de Deus. Estes são os DESEJOS de que fala em Prov 21,25:
“Os DESEJOS do preguiçoso o matam”.
- O preguiçoso DESEJA sempre e nunca se decide a empregar os meios próprios de seu estado de vida para se tornar santo. Por isso, costuma dizer: Oh! Se eu morasse num deserto e não nesta casa! Se eu estivesse vivendo em outro convento, eu me entregaria todo a Deus! E no entanto, não suporta um companheiro, não pode ouvir uma palavra que o contraria, dissipa-se com muitas coisas inúteis, cai em muitas faltas, pecados da gula, curiosidade, orgulho, e depois suspirando diz: Oh! Se eu pudesse...
- Tais DESEJOS são mais prejudiciais do que úteis; alimenta-se deles e no entanto vive e continua a viver imperfeitamente.

- S. Francisco Sales: Não concordo com uma pessoa que, ligada por uma obrigação ou por uma vocação, fique a DESEJAR outro tipo de vida, fora daquele que é seu dever, os outros trabalhos que são incompatíveis com seu estado presente. Isso lhe dissipa o coração e a faz afrouxar nas suas obrigações.

            13. Portanto, é necessário DESEJAR a perfeição e empregar com decisão os meios de alcança-la.
- S. Tereza: “Deus não quer de nós apenas uma resolução, para ele depois fazer o resto. O demônio não tem medo das pessoas irresolutas.”; “Prefiro oração de pouco tempo mas que produz grandes efeitos, do que orações de muitos anos nas quais a pessoa não chega a resolução de fazer alguma coisa de valor por Deus... Sei por experiência que se alguém, desde o começo, toma a resolução de fazer alguma coisa por Deus, por difícil que seja, nada tem que temer”.
- A meditação é útil para conhecer os meios que conduzem a santidade. Alguns fazem oração, mas nunca tiram conclusão alguma.

            14. A primeira resolução deve ser esta: esforçar-se sempre e preferir morrer do que cometer um pecado deliberado, por pequeno que seja. É verdade que nossos esforços, sem a ajuda da Deus, não bastam para vencermos as tentações. Deus, porém, quer que, de nossa parte, nos esforcemos. Ele suprirá com sua graça, socorrerá nossa fraqueza e nos alcançará a vitória. Essa resolução nos torna possível caminhar para frente e ao mesmo tempo nos dará grande coragem, trazendo-nos a certeza da graça divina.

- S. Francisco Sales: “A maior segurança que podemos ter neste mundo de estar na graça de Deus, não consiste tanto nos sentimentos que temos de seu amor, mas no puro e irrevogável abandono de todo nosso ser nas suas mãos e na resolução firme de nunca mais consentir em algum pecado, nem grande nem pequeno.” Nisso consiste a delicadeza de consciência.
- Note-se que uma coisa é ser delicado de consciência, e outra é ser escrupuloso:
·         Ser delicado de consciência é uma necessidade para se tornar santo.
·         Ser escrupuloso é um defeito e nos faz mal; devemos, por isso, obedecer ao diretor espiritual e vencer os escrúpulos, preocupações inúteis e sem razão.

A Prática de amor a Jesus Cristo Cap VIII– Santo Afonso Maria de Ligório

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Maria sustenta o corpo e a alma

Ela os sustenta no Corpo e na Alma
§208. O segundo dever de caridade que a Santíssima Virgem exerce para com os Seus fiéis servos é que os provê de tudo, quanto ao corpo e quanto à alma. Dá-lhes vestes duplas, como acabamos de ver. Alimenta-os com os manjares escolhidos da mesa de Deus. Dá-lhes a comer o Pão de Vida que Ela própria formou: “Meus filhos, diz-lhes Ela pela boca da Sabedoria, enchei-vos dos meus frutos” (Eclo 24, 26), isto é, de Jesus, o fruto de vida, que Eu dei à luz para vós.
“Vinde, repete-lhes, comei o meu Pão, que é Jesus, e bebei o Vinho do seu Amor, que para vós preparei com o leite do meu peito” (Pr 9, 5; Ct 5, 1).
- Por Ela ser a tesoureira e a dispensadora do Altíssimo, prepara uma boa parte, e a melhor parte, para alimentar e sustentar os Seus filhos e servos.
  • Sacia-os com o pão vivo, inebria-os com o vinho que gera as virgens (Zc 9, 17).
  • Leva-os aos seios (Is 66, 12).
  • Dá-lhes tanta facilidade em levar o jugo de Jesus Cristo que quase não lhe sentem o peso, devido ao óleo da salvação em que o faz apodrecer: “Seu jugo apodrecerá por causa da abundância do azeite” (Is 10, 27).

Ela os guia
§209. O terceiro bem que a Santíssima Virgem faz aos Seus fiéis servos é que Ela os conduz e dirige segundo a vontade de seu Filho.
Rebeca conduzia seu filho Jacó e dava-lhe bons conselhos, de tempos a tempos, quer para atrair sobre ele a benção de seu pai, quer para o subtrair ao ódio e à perseguição de Esaú, seu irmão.
Maria, que é a estrela do mar, conduz todos os Seus servos fiéis a bom porto; mostra-lhes os caminhos da vida eterna e faz-lhes evitar os passos perigosos; leva-os pela mão nas veredas da justiça e sustenta-os, quando estão prestes a cair; se caem, levanta-os;
- Mãe caridosa que é, repreende-os quando erram, e chega mesmo, por vezes, a castigá-los amorosamente. Poderá um filho obediente a Maria, sua Mãe nutrícia e diretora esclarecida, perder-se nos caminhos da eternidade?
- Como diz São Bernardo: “Seguindo-a não te desvias!” (§174).
- Não receeis que um verdadeiro filho de Maria seja enganado pelo espírito maligno e caia em alguma heresia formal (§167). Onde é Maria que guia, não há lugar nem para o demônio com as suas ilusões, nem para os heréticos com as suas sutilezas: “Se Ela te sustém, não cais” (§174).

Ela os defende e protege
§210. O quarto benefício que a Santíssima Virgem presta a Seus filhos e fiéis servos é que os defende e protege contra os seus inimigos.
Rebeca, por meio dos seus cuidados e diligências, livrou Jacó de todos os perigos em que se encontrava. Livrou-o particularmente da morte que seu irmão Esaú lhe teria provavelmente dado, como outrora Caim a seu irmão Abel, tanto era o ódio e a inveja que lhe tinha.
Maria, a boa Mãe dos predestinados, abriga-os sob as asas da sua proteção, como a galinha aos seus pintainhos.
- Fala-lhes, abaixa-se até eles, condescende com as suas fraquezas.
- Cerca-os para os livrar do falcão e do abutre,
- acompanha-os como “um exército posto em linha de batalha” (Ct 6, 3).
- Um homem, rodeado por um exército bem disciplinado de cem mil homens, poderá temer os seus inimigos? (§50).
- Um fiel servo de Maria, cercado pela sua proteção e pelo seu poder imperial, tem ainda menos a temer!
- Esta boa Mãe e Poderosa Princesa dos Céus enviaria batalhões de milhões de anjos em socorro de um dos Seus servos, antes que se pudesse jamais dizer que um fiel servo de Maria, que n'Ela confiara, tinha sucumbido ante a malícia, o número e a força dos seus inimigos.

Ela intercede em seu favor
§211. Enfim, o quinto e último grande bem que esta Mãe amável presta a Seus fiéis devotos é que intercede por eles junto de seu Filho, apaziguando-o com Seus rogos. Ela os une a Ele com liames muito íntimos e nessa união os conserva. Rebeca fez aproximar Jacó do leito de seu pai, e o bom homem tocou-o, abraçou-o e até o beijou com alegria. Sentiu-se contente e saciado com a carne bem preparada que Jacó lhe trouxe, e tendo aspirado com grande prazer os preciosos aromas das roupas dele, exclamou:
“Eis que o perfume de meu filho é semelhante ao aroma dum campo fecundo, que o Senhor abençoou” (Gn 27, 27).
- Esse campo fecundo, cujo perfume regozijou o coração do pai, não é outro senão o das virtudes e méritos de Maria.
- Ela é um campo cheio de graça, onde Deus Pai semeou, qual grão de trigo dos eleitos, o seu Filho Único.
- Oh! Como um filho perfumado pelo bom odor de Maria é bem acolhido por Jesus Cristo, Pai do século futuro! (Is 9, 6). Como se une rápida e perfeitamente a Ele! Já o demonstramos mais demoradamente (§152-168; 184 e 191-200).

§212. Além disto, depois de ter cumulado de favores os Seus filhos e fiéis servos, depois de ter obtido a benção do Pai celeste, e a união com Jesus Cristo, conserva-os em Jesus Cristo e Jesus Cristo neles. Guarda-os e vela sempre por eles, para que não venham a perder a graça de Deus, e a cair nas ciladas do inimigo: “Detém os santos na sua plenitude”, e fá-los perseverar até o fim, como vimos (§173-182).
- Eis, portanto, a explicação desta grande e antiga figura da predestinação e da condenação, tão pouco conhecida e tão cheia de mistérios.

Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem Maria

São Luis Maria Grignion de Monfort

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Maria, admirável perseverança

Continua... Esta Devoção é um meio admirável de perseverança
§174. É o que diz São Bernardo, em termos formais, para nos inculcar esta prática: 
“Quando Ela vos sustém, não caís, quando vos protege, nada temeis; quando vos conduz, 
não vos cansais; quando vos é favorável, chegais ao porto da salvação.”
- São Boaventura parece dizer-nos a mesma coisa em termos ainda mais formais: 
A Santíssima Virgem, diz ele, não é apenas detida na plenitude dos santos, mas Ela retém e guarda os santos na plenitude deles, para que esta não diminua. Impede que as suas virtudes se dissipem, que os seus méritos pereçam, que se percam as suas graças, e que os demônios lhes façam mal. Enfim, impede que Nosso Senhor os castigue quando pecam.

§175. A Virgem Santíssima é a Virgem Fiel que, pela sua fidelidade a Deus, repara as perdas causadas pela infiel Eva por sua infidelidade. 
- Obtém de Deus a fidelidade e a perseverança para todos os que se lhe dedicam, pelo que um santo a compara a uma âncora firme, que os retém e impede de naufragar no meio do mar agitado deste mundo, onde tantos perecem por se não segurarem a esta âncora sólida. 
“Nós ligamos as almas à Vossa esperança, como a uma âncora firme” (S Boaventura).
- Foi a Ela que os santos que se salvaram mais se amarraram e mais amarraram os outros, para perseverar na virtude.
- Felizes, pois, mil vezes felizes os cristãos que agora se agarram fiel e inteiramente a Maria, como a uma âncora firme.
- As investidas das tempestades deste mundo não os farão soçobrar, nem perder os seus tesouros celestes.
- Felizes os que se acolhem a Ela, como à arca de Noé!
- As águas do dilúvio do pecado, que afogam a tantos, não os prejudicarão, porque, repete a Santíssima Virgem com a Sabedoria:
“Aqueles que em mim trabalham na sua salvação, não pecarão” Eclo 24, 30
- Felizes os pobres filhos da infeliz Eva, que se ligam à Mãe e Virgem Fiel, que sempre permanece fiel e nunca se desmente: “Ela permanece fiel, não podendo negar-se a si mesma” (2 Tm 2, 13).
- Ela ama sempre os que a amam (Pr 8,17), com um amor não apenas afetivo, mas efetivo e eficaz, porque os impede, por meio de graças abundantes, de recuar na virtude, ou de cair no caminho, perdendo a graça de seu Filho.

§176. Esta boa Mãe recebe sempre, por pura caridade, tudo o que lhe damos em depósito. 
- E, uma vez que o recebeu como depositária, é obrigada em justiça a guardar, em virtude do contrato de depósito. Do mesmo modo que uma pessoa, a quem eu tivesse confiado mil moedas de ouro, seria obrigada a guardá-las, e se, por negligência, viesse a perdê-las, em boa justiça seria Ela a responsável.
- Mas não, nunca a fiel Maria deixará perder, por negligência, o que lhe tiver sido confiado. Seria mais fácil passarem o Céu e a Terra do que Ela ser negligente e infiel para com os que n'Ela confiam.

§177. Ó pobres filhos de Maria, a vossa fraqueza é extrema, grande a vossa inconstância e bem corrompida a vossa natureza. Fostes tirados, é certo, do mesmo barro corrompido que os filhos de Adão e Eva. Mas não desanimeis por isso. Consolai-vos e alegrai-vos! Eis que vos ensino este segredo desconhecido da maioria dos cristãos, até mesmo dos mais piedosos.
- Não guardeis o vosso ouro e a vossa prata nos vossos cofres, já forçados pelo espírito maligno que vos roubou. Eles são pequenos, velhos e fracos demais para guardar tão grande e precioso tesouro. Não ponhais a água pura e cristalina da fonte nos vossos vasos estragados e infectados pelo pecado. Se o pecado já não existe em vós, ficou pelo menos o seu odor e a água se contaminará. 
- Não deiteis os vossos vinhos finos em vossos tonéis velhos, que já foram cheios de mau vinho; ficariam estragados e em perigo de se perderem.

§178. Embora me compreendais, almas predestinadas, quero falar mais claramente.
- Não confieis o ouro da vossa caridade, a prata da vossa pureza, as águas das graças celestiais e o vinho dos vossos méritos e virtudes a um saco roto, a um cofre velho e arrombado, a uma vasilha estragada e contaminada como sois vós. 
- Do contrário sereis roubados pelos ladrões, isto é, pelos demônios, que procuram e espiam noite e dia o tempo propício para o fazer. 
- Do contrário, estragareis, pelo mau odor do vosso amor próprio, da confiança em vós mesmos e da vossa própria vontade, tudo o que de mais puro Deus vos dá.
- Colocai, lançai no seio e no Coração de Maria todos os vossos tesouros, todas as vossas graças e virtudes. Ela é vaso espiritual, vaso honorífico, vaso insigne de devoção. 
- Depois que o próprio Deus se encerrou neste vaso, com todas as suas perfeições, tornou-se todo espiritual e fez-se a morada das almas mais espirituais. 
- Tornou-se honorífico, e trono de honra dos maiores príncipes da eternidade. 
- Tornou-se insigne em devoção, e a morada das mais ilustres em doçura, em graças e virtudes. 
- Enfim, tornou-se rico como uma Casa de Ouro, forte como a Torre de Davi e puro como uma Torre de Marfim.

§179. Ah! Como é feliz aquele que deu tudo a Maria, que se confia e abandona, em tudo e por tudo, em Maria! É todo d'Ela e Ela é toda d'Ele.
- Pode dizer ousadamente com Davi: “Maria foi feita para mim” (Sl 118, 56); 
ou com o discípulo amado: “Recebi-a como toda a minha riqueza” (Jo 19, 27); 
ou com Jesus Cristo: “Tudo o que é meu é teu, e tudo o que é teu é meu” (Jo 17, 10).

§180. Se, ao ler isto, algum crítico imaginar que falo com exagero e levado por devoção desmedida, pobre dele! Não me compreende, ou porque é um homem carnal, que não entende as coisas do espírito, ou porque pertence ao mundo e não pode receber o Espírito Santo, ou porque é orgulhoso e crítico, e condena ou despreza tudo o que não percebe.
- Mas as almas que não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus e de Maria, essas compreendem-me e apreciam, e é para elas que eu escrevo (Jo 1, 13).

§181. No entanto, retorno à matéria interrompida, dizendo a uns e a outros que Maria Santíssima é a mais honesta e liberal de todas as simples criaturas. Nunca se deixa vencer em amor e liberalidade; em troca de um ovo, diz um santo homem, Ela dá um boi; quer dizer, por pouco que se lhe der, Ela dá muito mais daquilo que recebeu de Deus. Se, pois, uma alma se lhe entrega sem reservas, Ela também se lhe dá toda, contanto que a alma ponha n'Ela, sem presunção, toda a sua confiança, trabalhando, por sua vez, em adquirir as virtudes e em vencer as suas paixões.

§182. Que os fiéis servos da Santíssima Virgem digam, portanto, com a ousadia de São João Damasceno:
“Tenho confiança em Vós, ó Mãe de Deus, serei salvo. Tendo a Vossa proteção, nada temerei. Com o Vosso socorro combaterei e porei em debandada os meus inimigos: porque a Vossa Devoção é uma arma de salvação que Deus dá aos que quer salvar!”
- Derramai no Seio e no Coração da Santíssima Virgem Maria todos os Vossos tesouros, todas as Vossas virtudes e graças!
Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem Maria / São Luis Maria Grignion de Monfort

Maria, Liberdade interior

Esta Devoção dá uma grande liberdade de espírito
§169. Sexto motivo. Esta prática de Devoção dá uma grande liberdade interior àqueles que a observam fielmente. 
- É a liberdade dos filhos de Deus (Gl 5, 1-13; 2 Cor 3, 17; Rm 8, 21)
- Como por esta Devoção nos tornamos escravos de Jesus Cristo, consagrando-nos totalmente a Ele nesta qualidade, este bom Mestre recompensa o cativeiro amoroso em que nos colocamos da seguinte maneira:
  • Tira da alma todo escrúpulo e temor servil, que só servem para a estreitá-la, escravizá-la e confundi-la;
  • Dilata o coração para uma santa confiança em Deus, fazendo-o ver n'Ele seu Pai;
  • Inspira-lhe um amor terno e filial.

§170. Sem me deter em provar esta verdade por meio de razões, contento-me em citar um fato histórico que li na vida da Madre Inês de Jesus. Era religiosa jacobina do convento de Langeac, em Auvergne, e faleceu nesse mesmo local em odor de santidade no ano de 1634. Ainda não tinha mais de sete anos quando já sofria de grandes penas do espírito. Foi então que ouviu uma voz dizer-lhe que, se desejava ser livre de todas as suas penas e protegida contra todos os seus inimigos, deveria tornar-se o mais depressa possível escrava de Jesus e de sua Santa Mãe.
- Mal regressou a casa, deu-se inteiramente como escrava a Jesus e à sua Santa Mãe, embora não conhecesse até aquela data esta Devoção. Tendo encontrado uma cadeia de ferro, cingiu-se com ela sobre os rins e usou-a até a morte. Depois desta ação cessaram todas as suas penas e escrúpulos.
- Ficou em tanta paz e liberdade de coração que ensinou esta prática a várias pessoas - que nela fizeram grandes progressos - entre outros ao Pe. M. Olier, fundador do Seminário de São Sulpício, e a outros sacerdotes e eclesiásticos do mesmo seminário. Um dia apareceu-lhe a Santíssima Virgem e pôs-lhe ao pescoço uma cadeia de ouro, testemunhando-lhe assim a alegria que sentia por ela se ter feito escrava sua e de seu Filho.
- S. Cecília, que acompanhava a Santíssima Virgem, disse-lhe:
Felizes os fiéis escravos da Rainha do Céu, porque gozarão a verdadeira liberdade: Ó Mãe, servir-Vos é a liberdade!

Esta Devoção causa grandes vantagens para o próximo
§171. Sétimo motivo. Outro motivo que nos pode comprometer a abraçar esta Devoção são os grandes bens que dela receberá nosso próximo. 
- Por esta prática exercemos a caridade para com ele duma maneira eminente, pois damos-lhe, pelas mãos de Maria, o que temos de mais caro, ou seja, o valor satisfatório e impetratório de todas as nossas boas obras, sem excluir o mínimo bom pensamento ou o mais leve sofrimento.
- Consentimos que todas as satisfações que adquirimos e havemos de adquirir até a morte sejam aplicadas, segundo a vontade da Santíssima Virgem, ou pela conversão dos pecadores, ou pela libertação das almas do Purgatório.
- Não será isto amar perfeitamente o nosso próximo? (Jo15, 13).
- Não é isto ser verdadeiro discípulo de Jesus Cristo, que se reconhece pela caridade? (Jo 13, 35).
- Não é este o meio de converter os pecadores sem perigo de vaidade, e de libertar as almas do Purgatório quase sem fazer mais nada além do que nos impõem os deveres de estado?

§172. Para se apreciar a excelência deste sétimo motivo seria preciso conhecer o bem que é a conversão dum pecador ou a libertação duma alma do Purgatório. 
É um bem infinito, maior do que criar o Céu e a Terra, pois é dar a uma alma a posse de Deus.
- Quando por esta prática se livrasse apenas uma alma do Purgatório, durante toda a vida, ou se convertesse apenas um pecador, não bastaria isso para levar todo homem verdadeiramente caridoso a abraçá-la?
- Mas é preciso notar que as nossas boas obras, passando pelas mãos de Maria, recebem um aumento de pureza e, por conseguinte, de mérito e de valor satisfatório e impetratório. 
- Tornam-se assim muito mais eficazes para aliviar as almas do Purgatório e converter os pecadores do que se não passassem pelas mãos virginais e generosas de Maria.
- O pouco que por Ela se dá, sem vontade própria e com uma caridade muito desinteressada, torna-se verdadeiramente poderoso para aplacar a cólera de Deus e atrair a sua misericórdia.
- Na hora da morte verificar-se-á que uma pessoa realmente fiel a esta prática, terá livrado, por este meio, muitas almas do Purgatório e convertido muitos pecadores, embora só tenha praticado as ações ordinárias do seu estado. Que alegria no momento do juízo! Que glória para a eternidade!
Quanto mais atenção dedicares a Maria nas tuas orações, ações, contemplações e sofrimentos, mais perfeitamente encontrarás Jesus Cristo, que está sempre com Ela.
Esta Devoção é um meio admirável de perseverança
§173. Oitavo motivo. Enfim, o que de certo modo nos impelirá mais fortemente ainda para esta Devoção à Santíssima Virgem é ser ela o meio admirável para perseverarmos na virtude e sermos fiéis.
  • Por que é que a maior parte das conversões dos pecadores não são duradouras?
  • Por que recaem eles tão facilmente no pecado?
  • Por que é que a maior parte dos justos, em vez de ir de virtude em virtude e de alcançar novas graças, perdem muitas vezes as poucas virtudes e graças que possuem?
- Esta desgraça provém, como já acima mostrei (nn.87-89), de que estando o homem tão corrompido, tão fraco e inconstante, se fia em si próprio, se apoia nas suas próprias forças e se julga capaz de guardar o tesouro das suas graças, virtudes e méritos.
- Por meio desta Devoção, confiamos à Santíssima Virgem -e sabemos como Ela é fiel- tudo o que possuímos.
- Tomamo-la como depositária universal de todos os nossos bens da natureza e da graça. Confiamo-nos à sua fidelidade, apoiamo-nos no seu poder e fundamo-nos na sua misericórdia e caridade, a fim de que conserve e aumente as nossas virtudes e méritos, apesar dos esforços que o demônio, o mundo e a carne fazem para nos roubar.
- Dizemos-lhe como um bom filho à sua mãe e um fiel servo à sua senhora:
“Guardai o meu depósito!” (1 Tm 6, 20).
- Minha boa Mãe e Senhora, reconheço que, por Vossa intercessão, recebi até hoje mais graças de Deus do que merecia. A minha triste experiência me ensina que trago este tesouro num vaso muito frágil, e que sou demasiado fraco e miserável para o conservar em mim:
“Sou novo e desprezado” (Sl 118, 141)
- Recebei, por favor, em depósito, tudo quanto possuo, e conservai-me por Vossa fidelidade e poder.
- Se me guardardes, nada perderei; se me sustentardes, não hei de cair; se me protegerdes, estarei ao abrigo dos meus inimigos.

Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem Maria / São Luis Maria Grignion de Monfort