sábado, 4 de março de 2017

Conhecimento da Verdade


"Deus quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da Verdade" ITimóteo 2,4

Conhecimento da Verdade
7. O conhecimento da Verdade tem três graus.
- A verdade buscamo-la em nós, no próximo e em si mesma:
·         em nós, julgando-nos a nós mesmos;
·         no próximos, compadecendo-nos de seus males;
·         em si mesma, contemplando-a com coração limpo.

- Assinalei-te o número dos graus; observa agora sua ordem. Gostaria, antes
de tudo, de que a própria Verdade te ensinasse por que ela deve ser buscada antes nos próximos que em si mesma. Entenderás, depois, por que deves buscá-la antes em ti que nos próximos.
- Ao pregar as bem-aventuranças, com efeito, o Senhor antepôs os misericordiosos aos limpos de coração (Mt 5, 7-8). É que os misericordiosos logo descobrem a verdade nos próximos: dirigem-lhes seus afetos e adaptam-se de tal modo, que sentem como próprios os bens e os males dos outros:
·         Com os doentes, adoecem; com os que se escandalizam, abrasam-se (II Cor 11, 29). “Alegrai-vos com os que estão alegres, chorai com os que choram” (Rm 12, 15).
- Purificados já no íntimo de seu coração pela mesma caridade fraterna, deleitam-se em contemplar a verdade em si mesma, por cujo amor toleram os males dos outros.
- Os que no entanto não se consociam assim com seus irmãos, senão que ofendem aos que choram, menosprezam aos que se alegram, ou não entendem em si mesmos o que se passa com os outros, por não sentir afetos semelhantes aos seus, nunca poderão descobrir a verdade nos próximos. A estes, adequa-se perfeitamente o tão conhecido ditado: “Nem são sente o que sente o doente, nem o saciado o que sente o faminto”. O doente e o faminto, com efeito, são os que melhor se compadecem dos doentes e dos famintos, porque o vivem igualmente.
- A verdade pura não a compreende senão o coração puro; e ninguém sente tão vivamente a miséria do irmão do que o coração que assume sua própria miséria.
- Para que sintas na miséria de teu irmão teu próprio coração de miséria, precisas conhecer antes tua própria miséria:
·         só assim poderás viver em ti seus males, e surgirão em ti iniciativas de ajuda fraterna.
- E, com efeito, foi assim que agiu o nosso Salvador:
·         quis sofrer para saber compadecer-se; fez-se miserável para aprender a ter misericórdia.
- E, assim como dele se escreveu: “Aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu” (Hb 5, 8), assim também soube o que é a misericórdia. Isso, naturalmente, não quer dizer que Aquele cuja misericórdia é eterna ignorasse a misericórdia, senão que aprendeu no tempo pela experiência o que por sua natureza sabia desde a eternidade.

13. Se o que não era miserável se fez miséria para experimentar o que já sabia previamente, quanto mais não deves tu, não digo fazer-te o que não és, mas atender ao que és, porque, com efeito, és miserável? Aprenderás assim a misericórdia, e só assim a podes aprender.
- Porque, se consideras o mal de teus próximos e não atendes ao teu, sentir-se-á movido não à compaixão, mas à indignação; tendemos, com efeito, a julgar, não a ajudar; a destruir furiosamente, não a instruir com brandura. “Vós, que sois espirituais”, diz o Apóstolo, “admoestai-o com espírito de mansidão” (Gl 6, 1). O conselho e preceito do Apóstolo consiste em que ajudes ao irmão enfermo com a mesma mansidão que queres que te ajudem a ti quando te enfermas; e consiste ainda em que entendas quanta mansidão deves ter no trato com o pecador: “refletindo cada um sobre si mesmo”, diz ainda o Apóstolo, “não caia também em tentação”.

14. Importa considerar com que perfeição o discípulo da verdade segue a ordem estabelecida pelo Mestre. Nas bem-aventuranças a que me referi mais acima, com efeito, os misericordiosos precedem aos limpos de coração, e os mansos aos misericordiosos (Mt 5, 4.7-8). O Apóstolo, ao exortar os espirituais a que instruam os carnais, acrescenta: “com espírito de mansidão”.
- A instrução dos irmãos certamente corresponde aos misericordiosos; fazê-lo com brandura, aos mansos. É como se dissesse: não pode contar-se entre os misericordiosos aquele que não é manso em si. Veja como o Apóstolo mostra claramente o que mais acima prometi demonstrar:
·         a verdade, com efeito, havemos de buscá-la antes em nós mesmos que nos próximos “Refletindo cada um sobre si mesmo”, isto é, sobre quão fácil é tentado e quão propenso é a pecar: por esta consideração, far-se-á manso e poderá aproximar-se dos outros para socorrê-los “com espírito de mansidão”.
- E, se não és capaz de escutar o discípulo que te aconselha, teme ao menos o Mestre que te acusa:
·         “Hipócrita, tira primeiro a trave de teu olho, e então verás para tirar a aresta do olho de teu irmão” (Mt 7, 5).

- A soberba da mente, com efeito, é essa trave grande e grossa no olho, que por sua corpulência vã, não sã, inchada, não sólida, obscurece o olho da mente, e escurece a verdade. Se chegar a ocupar tua mente, já não poderás ver-te nem sentir-te como és ou como podes ser, mas como te queres, como pensas que és, ou como esperas vir a ser.
- Que é a soberba senão, como a define Santa Teresa de Ávila, o amor da própria excelência?
- E podemos dizer que, pelo contrário, a humildade é o entendimento da própria excelência, que o humilde não ama desordenadamente a própria excelência, mas sabe reconhecê-la em si, quando é real, sem jamais perder de vista que ela é, antes e acima de tudo, um dom de Deus.

- Nem o amor nem o ódio conhecem o juízo da verdade.
- Queres ouvir o juízo da verdade?
·         “Julgo segundo o que ouço” (Jo 5, 30): não segundo odeio, nem segundo amo, nem segundo temo.
- Há um juízo do ódio, como este:
·         “Nós temos uma lei, e segundo a lei [Ele] deve morrer” [Jo 19, 7].
- Há um também do temor, como este:
·         “Se o deixamos assim, crerão todos nele; e virão os romanos, e destruirão nossa cidade e nossa nação” [Jo 11, 48].
- Mas o juízo do amor é como o de Davi com respeito ao filho parricida:
·         “Trata bem”, diz ele, “ao jovem Absalão” [II Sm 18, 5].

- Há uma norma segundo as leis humanas que se observa tanto nas causas eclesiásticas como nas civis:
·         está disposto que os amigos íntimos dos litigantes nunca devem ser convocados a juízo, para que, levados pelo amor dos amigos, não enganem nem se deixem enganar.
- E, se o amor que professas a teu amigo influi em teu critério como atenuante ou ausência de culpa, quanto mais o amor que te professas a ti mesmo não te enganará quanto emitas um juízo contra ti?

15. Por conseguinte, o que cuida de conhecer a verdade de si mesmo deve tirar a trave de sua soberba, porque ela impede a seus olhos a luz, e terá de dispor-se a ascender no coração, observando-se a si mesmo em si mesmo, até alcançar, com o décimo segundo grau da humildade (Temor a Deus), o primeiro da verdade:
·         “Rememorar a própria pequenez e a degradação dos pecados cometidos, fazendo tudo não mais pelo temor do inferno, mas por amor a Cristo” (Regra de São Bento Capitulo VII)
- Quando pois tiver encontrado em si mesmo a verdade, ou melhor, quando se tiver encontrado a si mesmo na verdade e puder dizer:
·         “Eu fiei-me, e por isso falei; eu estou pois extremamente humilhado” [Sl 116, 10], ascenda mais então o homem no coração, para que a verdade seja exaltada, e alcance o segundo grau, e diga em seu arroubo: “Todos os homens são mentirosos” [Sl 116, 11].
- Pensas que Davi não seguiu esta mesma ordem? Pensas que o profeta não advertiu o que o Senhor, o Apóstolo e eu entendemos seguindo seu exemplo? Diz ele:
·         “Eu fiei-me” na Verdade, que dizia: “O que me segue não anda nas trevas” [Jo 8, 12]. “Fiei-me”, pois, seguindo-a, “e por isso falei” confessando.
- Que confessei?
·         A verdade que conhecia na fé. E, depois que “me fiei” para a justiça e “falei” para a salvação, “estou extremamente humilhado” – ou seja, perfeitamente.
- É como se dissesse:
·         já que não me envergonhei confessando contra mim mesmo a verdade que conheci em mim, cheguei à perfeição da humildade.
- “Extremamente”, portanto, pode entender-se por “perfeitamente”, como aqui:
·         “Compraz-se extremamente em seus mandatos” [Sl 112, 1].
- Se todavia alguém sustenta que “extremamente” significa aqui “muito” e não “perfeitamente”, por ser tal o significado que lhe dão os expositores, tal tradução não discordaria do sentido do Profeta, como se se dissesse:
·         Eu, com efeito, quando ainda não conhecia a verdade, considerava-me algo, ainda que não fosse nada. No entanto, desde que me fiei em Cristo, ou seja, desde que imitei sua humildade, passei a conhecer a verdade: ela foi enaltecida em mim, por causa de minha mesma confissão.
- Mas “eu estou extremamente humilhado”, isto é:

·         a mesma consideração de mim suscitou-me grande desprezo.

27. Há pois um caminho para cima e outro para baixo. Um caminho leva ao bem, enquanto o outro ao mal. Esquiva o mau caminho, e escolhe o bom. Se porém te sentes incapaz disso, suplica com o profeta dizendo: “Da via da iniquidade, afasta-me” [Sl 118, 29].
De que modo?
“E concede-me o favor de tua lei” [Sl 118, 29], ou seja, da lei que deste aos que delinquem no caminho, aos que deixam a verdade. Um destes sou eu, que caí da verdade. Mas, então, o que cai já não poderá levantar-se?
Por isso elegi o caminho da verdade, para ascender até à cúspide de onde caí por causa de minha soberba.
Ascenderei e cantarei: “Foi bom para mim, Senhor, que me humilhasses; melhor para mim é a lei de tua boca que milhares de moedas de ouro e de
prata” [Sl 118, 71-72].

- Pode parecer-te, sim, que Davi propõe dois caminhos; mas presta atenção e verás que não é senão um, ainda que com dois nomes:
Chama-se iniquidade para os que descem,
e verdade para os que sobem.
·          Os degraus são os mesmos tanto para os que ascendem ao trono como para os que descem.
·          Um só, com efeito, é o caminho tanto para os que se aproximam da cidade como para os que a deixam; e
·          Uma só é a porta tanto para os que entram na casa como para os que saem dela.
- Jacó viu em sonho que por uma mesma e só rampa subiam e desciam anjos (Gn 28, 12). Que quer dizer isso? Que, se queres voltar à verdade, não precisas buscar um novo e desconhecido caminho:
- Basta-te o mesmo pelo qual desceste. Já o conheces. E, desandando o mesmo caminho, sobe humilhado os mesmos degraus que desceste ensoberbecido.
- Desse modo, o que é o:
·         décimo segundo degrau da soberba (O costume de pecar) para o que desce,
o   esse mesmo degrau há de ser o primeiro da humildade (O Temor a Deus: nos sentidos, na vontade e na inteligência) para o que sobe;
·         o décimo primeiro da Soberba (Liberdade de pecar) para o que desce,
o   o segundo da Humildade (A negação dos próprios desejos) para o que sobe;
·         o décimo da Soberba (Rebelião) para o que desce,
o   o terceiro da Humildade (Prática da obediência) para o que sobe;
·         o nono da Soberba (Confissão simulada) para o que desce,
o   o quarto da Humildade (Suportar o desprezo e a injustiça dos homens) para o que sobe;
·         o oitavo da Soberba (Escusa dos pecados) para o que desce,
o   o quinto da Humildade (Confiar a consciência ao Diretor Espiritual) para o que sobe;
·         o sétimo da Soberba (Presunção) para o que desce,
o   o sexto da Humildade (Renunciar a qualquer conforto externo) para o que sobe;
·         o sexto da Soberba (Arrogância) para o que desce,
o   o sétimo da Humildade (Renunciar ao reconhecimento dos méritos pessoais) para o que sobe;
·         o quinto da Soberba (Singularidade) para o que desce,
o   o oitavo da Humildade (Renunciar ao desejo de governar a qualquer tipo de mando) para o que sobe;
·         o quarto da Soberba (Jactância) para o que desce,
o   o nono da Humildade (Exercitar o silêncio) para o que sobe;
·         o terceiro da Soberba (Alegria tola) para o que desce,
o   o décimo da Humildade (Ser circunspecto e evitar o riso fútil) para o que sobe;
·         o segundo da Soberba (Ligeireza de espírito) para o que desce,
o   o décimo primeiro da Humildade (Ser discreto) para o que sobe;
·         o primeiro da Soberba (Curiosidade) para o que desce,
o   o décimo segundo da Humildade (Rememorar a própria pequenez e a degradação dos pecados cometidos, fazendo tudo não mais pelo temor do inferno, mas por amor a Cristo) para o que sobe.
(Resumo esquemático Regra de São Bento Capitulo VII)
- Quanto houveres encontrado, ou melhor, reconhecido em ti tais degraus
da soberba, já não terás de laborar para encontrar o caminho da humildade.

Os Graus da Humildade e da Soberba-São Bernardo de Claraval-Editora Concreta

Nenhum comentário:

Postar um comentário