domingo, 4 de maio de 2014

Amor a pobreza (Santo Afonso)

Voto de pobreza
13. O amor a pobreza, devem tê-lo especialmente os religiosos que fizeram o voto de pobreza.
- S.Bernardo: “Muitos religiosos querem ser pobres, com a condição de que não lhes falte nada”
- S.Francisco Sales: “Estes tais querem a honra da pobreza, mas rejeitam-lhe os incômodos”. Para esses religiosos fica bem o que dizia uma monja Clarissa: “A religiosa que se gloria de ser pobre e se lamenta quando lhe falta alguma coisa, será ridicularizada pelos anjos e pelos homens”.
            Diferente é o modo de agir dos bons religiosos: amam a sua pobreza mais do que todas as riquezas.
            A filha do imperador Maximiano II, monja de Santa Clara, compareceu na presença de seu irmão, o arquiduque Alberto, com o hábito remendado. Ele estranhou isso como inconveniente a nobreza de sua irmã; mas ela lhe disse: “Meu irmão, estou mais contente com estas roupas pobres do que os reis com suas purpuras”.
- S.Maria Madalena Pazzi: “Felizes os religiosos que, desapegados de tudo por meio da pobreza, podem dizer: Senhor, sois a parte de minha herança (Sl15,5). Senhor, sois a minha herança, todo o meu bem”
            Certa vez, Santa Tereza, tendo recebido muitas esmolas de um negociante, mandou-lhe dizer que seu nome estava escrito no livro da vida e, como sinal disto, as coisas deste mundo lhe seriam tiradas. De fato, o negociante faliu e ficou pobre até a morte.”
- S.Luis Gonsaga: “Não há nenhum sinal mais certo de que alguém seja do número dos escolhidos, do que vê-lo temente a Deus, e ao mesmo tempo, ser provado com tribulações e desolações neste mundo.”

            14.De algum modo, ainda faz parte da pobreza o ser privado dos parentes e amigos pela morte. É muito importante praticar a conformidade nesta ocasião.
            Perdendo um parente, um amigo, há pessoas que perdem também a paz. Fecham-se num quarto a chorar e, dominados pela tristeza, tornam-se impacientes e insuportáveis. Eu queria saber: essas pessoas que se angustiam assim e derramam tantas lágrimas, a quem estão agradando?
- A Deus? A Deus não, porque ele quer que nos resignemos com a sua vontade.
- Agradam a alma do defunto? Também não, porque se essa se perdeu, ela odeia a vós e as vossas lágrimas.
- Se ela já está no céu, deseja que agradeçais a Deus por ela.
- Se está no purgatório, deseja que a socorrais com as vossas orações e que vos conformeis com a vontade de Deus; deseja que vos santifiqueis para, um dia, vos ter como companheiros no céu.
- De que serve, então, chorar tanto?
- S.José Caracciolo, teatino, tendo-lhe morrido um irmão e estando certo dia com os parentes, que não paravam de chorar, chamou-lhes a atenção:
“Chega! Reservemos estas lágrimas para uma finalidade melhor, para chorar a morte de jesus Cristo que foi para nós Pai, irmão e morreu por nosso amor”
- Em tais ocasiões é preciso fazer como Jó ao receber a noticia da morte dos seus filhos, conformado inteiramente com a vontade de Deus: “O Senhor deu, o Senhor tirou; como foi do seu agrado, assim aconteceu; bendito seja o nome do Senhor!” o que aconteceu foi da vontade de Deus, e por isso, também do meu agrado; que ele seja sempre louvado por mim!

Os desprezos
            15.Devemos também praticar a paciência e provar nosso amor a Deus suportando em paz os desprezos que recebemos. Quando uma pessoa se dá para Deus, ele mesmo faz ou permite que seja desprezada e perseguida pelos homens.
            Conta-se do Beato Henrique Suso que, certa vez, tomou consciência dos sofrimentos impostos pelos homens: “Henrique, até agora tens praticado a mortificação a teu modo. De hoje em diante, serás mortificado como os outros quiserem”. No dia seguinte, vendo um cachorro rasgando um farrapo, pensou consigo: “Assim serás tu, dilacerado pela boca dos homens”. Desceu do lugar onde estava, guardou um pedaço daquele pano para lembrar-se dele no meio dos sofrimentos.

            16.Os desprezos e as injurias são desejadas e procuradas pelos santos.
- S.Felipe Neri, como hóspede, sofreu muitos maus tratos durante 30-anos; apesar disso, não queria mudar-se e passar para uma nova casa que ele mesmo fundara.
- S.João Cruz, precisando mudar de ares por causa de uma doença, não quis aceitar uma casa cômoda, onde havia um superior que gostava muito dele. Escolheu, porém, uma casa pobre, dirigida por um superior que não lhe tinha simpatia e que o perseguiu e o maltratou durante muito tempo e de várias maneiras.
- S.Tereza: “Quem procura a perfeição deve evitar de dizer: fizeram-me isso sem razão. Se queres carregar a cruz, mas somente aquela que se apoia na razão, a santidade não é para ti”
- É conhecida a resposta que Jesus crucificado deu a São Pedro, mártir, quando se lastimava de estar encarcerado, sem ter feito mal algum: “E eu que mal fiz para estar pregado nesta cruz sofrendo e morrendo pelos homens”
- Os santos consolavam-se, quando injuriados, com as ofensas que Jesus Cristo padeceu por nós.
- S.Eleazar, perguntado por sua esposa, como podia sofrer com tanta paciência as numerosas injúrias recebidas até mesmo de seus empregados, respondeu: “Penso em Jesus desprezado. Vejo que as afrontas feitas a mim não são nada, em comparação com as que ele sofreu por mim. Assim Deus me dá força para suportar tudo em paz.”
            As injúrias, a pobreza, os sofrimentos e todas as tribulações que sobrevêm a uma pessoa que não ama a Deus, tornam-se ocasião para mais se afastarem dele. Mas, sobrevindo a quem ama a Deus, tornam-se motivo de maior união com ele e de maior amor:
“As torrentes não puderam extinguir o amor,
nem os rios o puderam submergir”Ct8,7
- As tribulações, por muitas e graves que sejam, não só não extinguem, mas sim, aumentam as chamas da caridade num coração que ama somente a Deus.


A Prática de amor a Jesus Cristo Cap XIV– Santo Afonso Maria de Ligório

Nenhum comentário:

Postar um comentário