segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Maria, a verdadeira devoção

1. A Verdadeira Devoção é Interior
§106. A Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem é, em primeiro lugar, interior, quer dizer, parte do espírito e do coração; provém da estima que se tem à Santíssima Virgem, da alta ideia que se forma das suas grandezas e do amor que se lhe consagra.

2. A Verdadeira Devoção é Terna
§107. Em segundo lugar, é terna, isto é, cheia de confiança na Virgem Santíssima, como é a dum filho na sua boa mãe. Faz com que uma alma recorra a Maria em todas as necessidades do corpo e do espírito, com muita simplicidade, confiança e ternura. A alma implora o auxílio desta terna Mãe em todo o tempo, lugar e circunstância:
·         nas dúvidas, para ser esclarecida;
·         nos desvios, para ser reencaminhada;
·         nas tentações, para ser sustentada;
·         nas fraquezas, para ser fortificada;
·         nas quedas, para ser reerguida;
·         nos desânimos, para ser encorajada;
·         nos escrúpulos, para ser livre deles;
·         nas cruzes, trabalhos e revezes da vida, para ser consolada.
- Numa palavra, em todos os males físicos ou espirituais, Maria é o seu socorro habitual, não receando ela importunar esta boa Mãe, nem desagradar a Jesus Cristo.

3. A Verdadeira Devoção é Santa
§108. A Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem é Santa, isto é, leva a alma a evitar o pecado e a imitar as virtudes de Maria, particularmente:
·         a sua profunda humildade,
·         a sua fé viva,
·         a sua obediência cega,
·         a sua contínua oração,
·         a sua mortificação universal,
·         a sua pureza divina,
·         a sua ardente caridade,
·         a sua paciência heroica,
·         a sua doçura angélica e
·         a sua sabedoria divina.
- Estas são as dez principais virtudes da Santíssima Virgem.

4. A Verdadeira Devoção é Constante
§109. Em quarto lugar, a Devoção Verdadeira é constante. Fortalece a alma no bem, levando-a a não abandonar com facilidade os seus exercícios de devoção. Torna-a corajosa em opor-se:
·         ao mundo com as suas modas e máximas;
·         à carne com seus aborrecimentos e paixões; e
·         ao demônio com suas tentações.
- De modo que uma pessoa verdadeiramente devota da Santíssima Virgem não é volúvel, melancólica, escrupulosa nem receosa. Não quer isto dizer que não caia, ou que não mude algumas vezes na sensibilidade da sua devoção. Mas se cai, estende a mão à sua boa Mãe e levanta-se.
Se perde o gosto e a devoção sensível, não se perturba, porque
 o justo e fiel servo de Maria vive da fé em Jesus e Maria, e não dos sentimentos do corpo (Hb 10, 38).
- Essa Devoção faz com que a alma recorra à Santíssima Virgem em todas as suas necessidades, corporais e espirituais, com muita simplicidade, confiança e ternura, e peça ajuda a Ela como à sua Verdadeira e Boa Mãe.

5. A Verdadeira Devoção é Desinteressada
§110. Finalmente, a Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem é desinteressada, pois inspira à alma que não se busque a si mesma, mas só a Deus em sua Santa Mãe. O verdadeiro devoto de Maria não serve esta augusta Rainha por espírito de lucro ou de interesse, mas unicamente porque Ela merece ser servida, e Deus n'Ela. Não ama Maria propriamente porque recebe ou espera d'Ela algum bem, mas sim porque Ela é amável. É por isso que a ama e serve tão fielmente nos desgostos e securas como nas doçuras e no fervor sensível. Ama-a tanto no Calvário como nas bodas de Caná. Oh! Como é agradável e preciosa aos olhos de Deus e de sua Santa Mãe uma tal alma, que não se busca a si mesma nos serviços que lhe presta! Mas como é raro encontrá-la presentemente! Foi com o intuito de que não seja tão rara que peguei na pena e escrevi o que tenho ensinado com fruto, em público e em particular,
nas minhas missões, durante muitos anos.

Desígnios, Esperanças e Anúncios Proféticos.
§111. Muito já disse acerca da Santíssima Virgem, mas muito mais me resta dizer, e infinitamente mais será o que hei de omitir por ignorância, insuficiência, ou falta de tempo, no desígnio que tenho de formar um verdadeiro devoto de Maria e um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo.

§112. Oh! Como seria bem empregado o meu trabalho, se este pequeno escrito caísse nas mãos duma alma bem nascida, nascida de Deus e de Maria, não do sangue ou da vontade da carne, nem da vontade do homem (Jo 1,13), e se este livrinho lhe revelasse e inspirasse, pela graça do Espírito Santo, a excelência e o valor da verdadeira e sólida Devoção à Santíssima Virgem, que vou descrever! Se eu soubesse que o meu sangue criminoso podia servir para fazer entrar no coração as verdades que escrevo em honra da minha querida Mãe e soberana Rainha, de quem sou o último dos filhos e dos escravos, servir-me-ia dele em vez de tinta, para escrever as letras. Tenho esperança de encontrar almas boas que, pela sua fidelidade à prática que ensino, compensarão à minha querida Mãe e Senhora pelas perdas que a minha ingratidão e infidelidade lhe têm causado.

§113. Sinto-me, mais do que nunca, animado a crer e a esperar em tudo aquilo que trago profundamente gravado no coração, e já há muitos anos peço a Deus: que mais cedo ou mais tarde a Santíssima Virgem terá um número nunca igualado de filhos, servos e escravos de amor, e que, por este meio, Jesus Cristo, meu Mestre muito amado, reinará nos corações como nunca.

§114. Prevejo que muitos animais frementes virão em fúria para rasgar com seus dentes diabólicos este pequeno escrito e aquele de quem o Espírito Santo se serviu para o compor. Ou pelo menos procurarão envolver este livrinho nas trevas e no silêncio duma arca, a fim de que não apareça.
- Atacarão mesmo e perseguirão aqueles que o lerem e puserem em prática.
- Mas, que importa? Tanto melhor! Esta visão anima-me e faz-me esperar um grande êxito, isto é, um grande esquadrão de bravos e valorosos soldados de Jesus e Maria, de ambos os sexos, que combaterão o mundo, o demônio e a natureza corrompida, nos tempos perigosos que mais do que nunca se aproximam! (Mt 24, 15).
Aquele que lê, entenda!
Quem puder compreender, compreenda!(Mt 19, 12).
- Prevejo muitas bestas raivosas que virão em fúria para devorar com seus dentes diabólicos este pequeno escrito, e aquele do qual o Espírito Santo serviu-se para escrevê-lo.
Tratado da Verdadeira Devoção a Santíssima Virgem Maria

São Luis Maria Grignion de Monfort

Nenhum comentário:

Postar um comentário